Veja e PSDB contra Jair Bolsonaro

A virulência dispensada por Reinaldo Azevedo, o maior popstar da Veja on line, surpreendeu mesmo quem, como este escriba, sabe que Reinaldo não morre de amores pelo deputado Bolsonaro.

Critiquei Reinaldo num artigo específico, citando a discussão que acabou por envolver Olavo de Carvalho, Kim Kataguiri e Rodrigo Constatino, mas não pude me aprofundar na questão que considero mais proeminente em tudo isso:

 O interesse em enfraquecer Jair Bolsonaro.

Existe muita gente na direita que não se empolga muito com o deputado, e tenho visto muitas manifestações neste sentido, na maioria das vezes respeitáveis e embasadas. Eu, particularmente, vejo Bolsonaro como a melhor opção disponível para 2018, tenho amigos que, embora respeitem a atividade dele, não o consideram apto a assumir um cargo desta envergadura.

São opiniões que divergem, mas confluem no respeito ao deputado, como um representante digno, da direita.

A manifestação de Reinaldo teve outro tom. Nivelou Jair Bolsonaro a Jean Wyllys, uma ofensa que eu não teria coragem de fazer nem mesmo aos esquerdistas mais babosos. Wyllys, que Deus o perdoe, só pode ser nivelado consigo mesmo. É um daqueles que, não por qualquer mérito, estão numa categoria única.

Reinaldo fez insinuações sem embasamento sobre Bolsonaro e, nos momentos mais descabelados, argumentou como um psolista revoltado porque a maconha acabou.

Sempre que critico Reinaldo, afirmo que gostava de seu trabalho e que o lia, mas não acho que isso o torne incriticável. Nem ele nem ninguém mais.

Vejo mais pontos positivos do que negativos em seu legado para a direita, porém, assuma ele ou não, goste ou não, seus escritos, que é por onde o conhecemos e avaliamos, pendem cada vez mais para o centro do que para a direita.

Para ser mais exato, Reinaldo pende para o tucanato.

Ele mesmo nunca escondeu proximidade com alguns caciques do PSDB, o que não é demérito algum.

Só se torna demérito se em algum momento ele começar a publicar mentiras sobre candidatos com forte potencial de tomar votos tucanos.

A Revista Veja não é direita, mas de centro-esquerda. Possui afinidade ideológica com o PSDB e defende quase sempre as mesmas bandeiras que o partido.

Muita gente está percebendo uma guinada da Veja para a esquerda, eu escrevi um artigo fazendo este apontamento, chamado A Decadência da Revista Veja e nosso colunista Pr. Marcos Paulo também constatou o mesmo AQUI. Alguns atinaram com a possibilidade de que o fato estivesse ligado ao aparecimento de anúncios estatais na revista, mas não vejo fundamento nisto. A revista continua batendo firme no PT.

Veja é antipetista, mas não é de Direita.

A revista guinou à esquerda porque o PSDB também guinou!

O partido não quer estar atrelado à direita, e busca faturar a fatia de eleitores petistas desiludidos, buscando um discurso mais progressista, temendo que posicionar-se mais à direita possa assustar e repelir este novo eleitorado órfão.

O problema é que Marina Silva está de olho no mesmo eleitorado, e Aécio, que provavelmente será o candidato, terá que disputá-lo com ela. Marina tende a faturar os petistas desiludidos, mas que ainda acreditam na esquerda. Aécio só faturará os moderados ou ultra-desiludidos, que abandonarem a esquerda.

E aqui cabe uma constatação: Sabe qual o grande problema do PSDB?

A direita acha que ele é de esquerda.

A esquerda acha que ele é de direita.

Assim, ele não agrada gregos nem troianos.

A vitória de Aécio nas últimas eleições (sim, eu acho que Aécio ganhou, mas as urnas eram petistas…) só aconteceu devido ao apoio maciço da direita.

Só que a direita está migrando para Bolsonaro. Se nada de novo acontecer e as próximas eleições presidenciais forem realmente em 2018, o deputado do PP (por enquanto, já que Bolsonaro negocia com o PSC) possui um potencial de crescimento gigantesco. Pesquisas atuais já estimam que ele possui cerca de 10% das intenções de voto. É atualmente o único político no Brasil – já que Lula tem medo de sair de casa e ser xingado – que é recebido no país inteiro com ovações.

O Brasil cansou e o discurso de Bolsonaro é justamente o discurso digerível para quem cansou.

É quem cansou de privilégios para bandidos, cansou de verba pra minorias, cansou de ter o direito de ir e vir cerceado por grupos de ativistas em defesa de políticas, não raro, inapreciáveis para quem trabalha para ganhar a vida.

Bolsonaro tem dois anos para crescer e isso assusta muita gente.

Principalmente quem tinha o monopólio do voto da direita que, por falta de opção mais compatível com suas convicções, optava por votar: O PSDB.

Votei no PSDB nas últimas eleições. E votei porque era o menos pior. Era a alternativa ao PT. Não acredito em voto nulo, há sempre um menos pior, e, no caso, o menos pior era tirar os pilhadores do poder.

Mas havendo um candidato de vulto, efetivamente de direita, é claro que ganhará meu voto.

O PSDB, creio eu, percebeu tarde que Bolsonaro não era apenas um bufão que mobilizava defensores da ditadura e xenófobos.

Acreditaram no espantalho que a mídia, majoritariamente esquerdista, criou, pensando que Bolsonaro discursaria para os extremos. Não perceberam que o deputado evoluiu e se reinventou, mantendo as características iniciais que lhe deram projeção.

Bolsonaro é hoje o candidato que a direita, principalmente a conservadora, espera.

E, se dois anos antes da eleição, mobiliza multidões, in loco e nas redes sociais, imagine qual o potencial de crescimento até lá?

Quando o PSDB percebeu, já tinha se distanciado da direita. Fernando Henrique Cardoso dá declarações que cada vez mais afastam o partido da base eleitoral conservadora que possibilitou que o partido fizesse frente ao PT, mesmo com todo o aparelhamento da máquina pública.

Agora, o que resta?

Derrubar Bolsonaro.

Sem Bolsonaro, o voto da direita volta a ser no menos pior, volta a ser um voto que objetiva meramente retirar o partido corrupto do poder.

Se Dilma não cair e novas eleições forem convocadas, os tucanos terão que voltar os canhões para o deputado, pois não podem se dar ao luxo de perder de 15% a 20% de seus votos para ele.

Fica então a dúvida: O chilique de Reinaldo Azevedo, absolutamente fora do tom, faz parte de uma campanha de desqualificação?

A VEJA impressa, por enquanto, tem ignorado Bolsonaro. Chegará um ponto em que isso será impossível. Como reagirá? Com o mesmo tom galanteador com que sempre tratou os candidatos tucanos, ou com a mesma virulência de seu mais incensado blogueiro?

Tenho minha opinião… quase uma certeza.

Esperemos pra ver…

 

Por Renan Alves da Cruz 

 

Leia Também:

 

Olavo de Carvalho, Reinaldo Azevedo, Constantino e a implosão da “high” direita

Jair Bolsonaro desmascara o programa CQC

Intervenção militar e o blá,blá,blá de Reinaldo Azevedo

Reinaldo Azevedo: O “Ombudsman” da Lava-Jato

As estranhas ideias de Reinaldo Azevedo

21 comentários em “Veja e PSDB contra Jair Bolsonaro”

  1. Parabéns pelo texto Renan.

    Eu acredito que cada dia que passa pessoas como você e o pessoal do blog precisam publicar mais e mais textos desmistificando essa idéia de que o PSDB é de direita, e enaltecendo os pontos positivos do único e verdadeiro candidato de direita que temos por enquanto (acredito que o Caiado tambem irá tentar o pleito, e gosto muito dele). Caso você tenha contato com outros formadores de opinião (Constantino, Pondé, Olavo, etc) poderiam criar um movimento a favor de divulgar Bolsonaro, bem como entrar em contato com ele para deixa-lo a par de tudo e até aconselha-lo quando for necessário (veja que ele aceitou de bom grado os conselhos do Constantino). No mais, é isso, precisamos entrar de cabeça nessa guerra midiática e tentar mostrar onde está a verdade.

    • Obrigado, Alexandre.

      Nos últimos anos o PSDB acabou recebendo os votos de grande parte da direita, por falta de opção, na condição de “menos pior”. É alvissareiro que tenhamos a possibilidade real de que Bolsonaro se candidate, além do Caiado, que também admiro muito. No que depender de nós, enquanto representarem nossos ideias, ambos serão divulgados e apoiados pelo Voltemos à Direita.

      Um grande abraço.

    • acho que o melhor é somente o Bolsonaro se candidatar e ai o Caiado pegar uma vaga de ministério. Ou então Bolsonaro em 2018 e Caiado em 2022. Ou uma chapa formada por Bolsonaro e Caiado. Pois caso ocorra as duas candidaturas corre o risco dos votos da direita se dividirem e ai acabar uma candidato de esquerda se elegendo.

  2. Belo texto, Renan. Hoje mesmo, em uma matéria do site O Antagonista, eu disse: “vou fazer da minha vida uma cruzada para provar que o PSDB não é um partido de direita”. Alexandre disse acima que gosta do Caiado, eu compartilho da mesma opinião, porém, uma situação me incomoda. Caso Bolsonaro e Caiado se candidatem em 2018, haverá um fogo amigo na campanha de ambos, pois dividirão os mesmos votos da direita. Neste caso, eu enxergo como chapa ideal, Bolsonaro/Caiado ou vice-versa, pois entendo que, Bolsonaro atrairia os votos dos conservadores, mais ligados às tradições e Caiado atrairia os votos dos liberais mais interessados nas questões de livre mercado, ou seja, essa chapa uniria o discurso da direita e atrairia muitos que ainda estão indecisos. Como um conservador sem partido que me represente, recentemente filiei-me ao DEM, mas mantenho a admiração pelo deputado Jair Bolsonaro. Em relação ao RA, continuo a ler seus textos na Veja, mas já tenho um senso crítico maior em relação ao que ele diz sobre o deputado.

    • Interessante sua sugestão, Wagner. Seria realmente uma chapa forte, mas no campo da política, é difícil imaginá-la como factível, dentro dos interesses partidários. Entretanto, seria excelente ter numa mesma chapa Bolsonaro e Caiado.

    • Eu também, Wagner. Há muitos liberais que defendem a ideia de que não é possível ser conservador e liberal ao mesmo tempo. Acho isso uma imbecilidade. É perfeitamente lógico crer que as medidas liberais são cruciais para a saúde econômica de uma nação, ao mesmo tempo em que se preza pelos valores conservadores.

      Obrigado por ter nos escrito novamente.

  3. Até pouco tempo eu acreditava que o PSDB ‘era oposição’ ao PT. Quanta ingenuidade! Era só prestar mais atenção nos discursos dúbios, tímidos. FHC não defendeu seu legado e as conquistas trazidas pela estabilidade econômica, acovardou-se para não melindrar os ‘companheiros’ e hoje estamos a mercê desses aprendizes que usam o país e seu povo como cobaias em seu projeto totalitário para se perpetuarem no poder. Só vejo uma luz no final desse túnel: votar na direita.

    • Pois é, Maria Lúcia. As posições defendidas pelo FHC nos últimos anos foram absurdas. O PSDB nunca conseguiu explicar de forma clara porque não encabeçou um pedido de impeachment do Lula quanto o mensalão eclodiu. Agora, com medo de perderem os votos dos conservadores, ao invés de migrar à direita, partirão para a desclassificação do candidato que realmente supre essa necessidade: Bolsonaro.

      Obrigado, Maria Lúcia, por continuar acompanhando e comentando nossos textos.

  4. Belo Texto Renan, muito obrigado pela defesa do meu, do nosso candidato, Jair Bolsonaro, o Brasileiro que junto ao outro, nosso querido Sergio Moro e, seus auxiliares, defendem o Brasil desta corja de ladrões, corruptos, que estão infelizmente no poder. Precisamos muito deles, mas muito mesmo. Que Deus nos ajude!

  5. Reinaldo Azevedo , muito fraco os seus comentários. Ótimo de discurso . Arrogante , o senhor da verdade , esquerdista falso moralista , além de comentários com objetivo de jogar para plateia . Seus comentários estão longe de transformá-lo em um formador , seja mais humilde e se coloque junto dos boquinhas !

  6. Maravilhoso texto. Não entendia a questão dos ataques de RA a Bolsonaro, agora mesmo que sem provas eu consigo basicamente ligar uma coisa a outra. E olha que RA nem sempre foi de direita.
    Bolsonaro e Cajado fariam uma ótima chapa e provavelmente venceriam, mas vivemos num país ‘idiotizado’ não descarto uma vitória de Luladrão, Aécio ‘cocaina’ e Marina ‘falsa’. O que seria uma vergonha e mais 4 anos de pesadelos ao país. Espero que Bolsonaro ou Caiado vença ou até os dois.

    • Pois, é, Cleiton. Temos dois anos para, na medida do possível, contribuir e fazer nossa parte em prol de nomes legítimos da direita, como Bolsonaro e Caiado. Precisamos desmascarar as táticas da esquerda e clarificar as verdadeiras posições de cada um.
      Um grande abraço.

  7. Renan Alves da Cruz, você descreveu a pura e mais cristalina das verdades sobre o deputado Jair Bolsonaro, PSDB e as crítica de Reinaldo Azevedo. O PSDB sempre esteve e continua em cima da muralha da China, olha com interesse para os dois lados e teve uma passagem no governos com a maioria de votos úteis, como foi o meu e de mais milhões para não votar no PT, ainda fizemos isso votando em Serra, Alckmim e Aécio. Chega de burrice! Não voto mais neles de maneira nenhuma, como votar em quem não tem coragem de tomar uma posição a seguir? E muito menos de combater os petralhas destruidores e traidores da pátria? Agora, queira ou não, é tarde. Vou e tenho certeza que a maioria dos brasileiros irão de BOLSONARO, o único que realmente vem lutando pela defesa da honra, da pátria e dos próprios brasileiros e sem ter aceito nenhum cargo do PT, continua de cabeça erguida para tristeza dos seus adversários que já começam se incomodar com a sua penetração no meio da vontade da maioria dos brasileiros visíveis por todos os cantos onde visita e ocultadol covardemente pela grande imprensa. Vai em frente BOLSONARO, ninguém mais lhe segura, nem as calúnias e falsos dossiês.

    • Sim, Benone, é este o ponto. O PSDB nutriu-se dos votos da direita durante anos, e quando chegou a hora de demonstrar ação, falhou com todos. Que bom que há uma direita ascendente no Brasil e que novos ventos, se Deus quiser, nos trarão um melhor amanhã.
      Um grande abraço.

  8. quem se deixa ser influenciado por esse reinaldo azevedo não deve ter o tico e teco normal o cara só fala merda,a impreção que ele e pago pelos tucanos para fazer a defesa deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *