Tucanos radicais?

Todos os partidos políticos possuem várias vertentes ideológicas. No PT, por exemplo, há aqueles que se posicionam mais a esquerda e aqueles que se alinham com o centro. No PSDB não é diferente. Majoritariamente um partido de centro, vários políticos com uma visão política mais a direita dentro do tucanato têm ganhado destaque no debate político.

E qual tem sido o termo para se referir a esses políticos? Bem, para a Folha e alguns tucanos, são radicais. Leiam reportagem de ontem, domingo, publicando pelo jornal:

PSDB tenta conter ímpeto de deputados mais radicais

Poucos dias antes de iniciar sua peregrinação por Brasília em defesa de uma proposta alternativa à redução da maioridade penal, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), pediu a um aliado que fizesse um levantamento informal sobre a posição da bancada de seu partido na Câmara sobre o tema.

O resultado o surpreendeu: dos 53 deputados do partido, 40 diziam ser favoráveis à emenda constitucional que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Muitos mudaram de opinião desde então, mas o resultado da enquete é um reflexo das transformações sofridas pela bancada do PSDB nos últimos tempos.

Os tucanos nunca tiveram uma bancada tão jovem e tão conectada às redes sociais da internet. A média de idade é 50 anos, e o deputado mais novo tem 26. Ela é mais diversificada, incluindo até evangélicos e delegados de polícia, e mais radical.

Ao lado de Alckmin, o senador Aécio Neves (PSDB-MG), presidente nacional da legenda, conseguiu na semana passada conduzir a bancada da Câmara a uma posição intermediária na discussão sobre os menores infratores.

Prevaleceu um projeto do senador Aloysio Nunes (SP), que reduz a maioridade penal apenas para crimes mais graves, como homicídios, estupros e sequestros. “Hoje, 95% dos nossos deputados estão fechados com a proposta”, diz o líder da bancada na Câmara, Carlos Sampaio (SP).

O ímpeto dos deputados –apelidados de “cabeças pretas”, numa referência à sua média de idade– foi criticado por nomes históricos do PSDB, como o ex-deputado Arnaldo Madeira e o ex-governador Alberto Goldman. Eles viram na oposição aguerrida sinal de ausência de um projeto e de responsabilidade com as finanças do país.

Os deputados contra-atacaram. “Arnaldo e Goldman são pessoas queridas e têm história no partido, mas é como colocar o Zico e o Pelé para jogar na seleção”, diz o deputado Marcus Pestana (MG).

Não foi a primeira vez neste ano que as rusgas extrapolaram o ambiente interno. Não raro, os “cabeças brancas”, como são chamados os membros da sigla no Senado –mais velhos que a média dos deputados– puxam o freio em questões polêmicas.

Foi assim no debate sobre o pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. A bancada da Câmara defendeu a iniciativa abertamente. Mas líderes como o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e Alckmin foram contra, e Aécio forçou uma mudança de rumo. Ouviu reclamações e teve que se defender: “Não há recuo, há estratégia”, disse.

Voltamos

Sabe o que acho mais curioso nesse tipo de abordagem? Não são chamados de radicais membros do MST, MTST, cujo líder escreve semanalmente no jornal, quando não está promovendo suas invasões, e tantas outras espeluncas que pregam o comunismo, a censura dos jornais, agridem jornalistas e qualquer um que se oponha a seus métodos; para estes, a Folha e tantos outros da imprensa, usam o epíteto de ativistas, manifestantes, falconaria petista, estudantes e afins.

Ainda para a Folha, é SURPREENDENTE que no PSDB haja ATÉ evangélicos e delegados de policia. Uau! Será que ser evangélico é um indicativo de radicalismo? Qual radicalismo? Ser um delegado é sinônimo do quê, a não ser aquele que autua os que agem fora da lei? Ademais, esses políticos apenas externam os anseios de uma imensa maioria da sociedade. É a sociedade brasileira radical?

Pelo teor da reportagem, os psdbistas históricos não estão gostando da atuação dos políticos mais jovens, ou seja, não estão gostando da nova cara que o partido está tomando. Serão esses novos protagonistas irresponsáveis? Será que eles não têm mesmo nenhum projeto para o país?

A quatro eleições nacionais que o PSDB apanha do PT, isso mesmo, apanha dos petistas porque foge da briga, e quando alguns políticos da sigla demonstram coragem, são taxados de radicais. Digam-me uma coisa. Pedir a saída de uma impostora é sinônimo de radicalismo?

Com esse tipo de pauta, a Folha incentiva e porque não, apoia os verdadeiros radicais: os que mentem, roubam, agridem e enganam a sociedade em nome de um projeto, cujo fim, é a perpetuação de um partido no poder e a hegemonia de um conjunto de idéias que por onde passou deixou seu rastro de sangue.

 

Por Jakson Miranda

 

 

Leia Também:

Ideologia de gênero nas escolas

Lava-Jato: Policia Federal do Paraná investiga suspeita de atentado

Que desgraça é ler um jornal hoje em dia!

O comunismo não morreu

Estudantes da USP e a PM: Jéssica, Por que não estudas?

 

Related Post

Comments

comments

Um comentário em “Tucanos radicais?”

  1. O partido em questão já me decepcionou muito com estas idas e vindas, mas ainda pode reverter essa situação. Já a Folha apodreceu, está morta só falta enterrar. Pratica o anti jornalismo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *