STF exerce poder legislador: A democracia está em perigo

Três ministros do STF, a saber Luís Roberto Barroso, Edson Fachin e Rosa Weber, transcenderam as prerrogativas de suas importantes funções para, novamente, exercer funções do Legislativo.

Não se trata de uma exceção. O Brasil vive uma juristocracia.

A divisão dos poderes funciona como uma balança, que precisa estar sempre equilibrada, para que a democracia não seja ameaçada. Os legisladores, inquestionavelmente, devem ser eleitos pelo povo, para agirem como seus representantes.

Juízes do STF não chegam à tal condição mediante voto popular. A função exige notório saber jurídico, crivo que não permite a candidatura de qualquer um. Os onze ministros da mais alta Corte brasileira, são, portanto, indicados pelo Executivo e aprovados ou não pelo Legislativo após sabatina.

Logo, um juiz não é um representante escolhido diretamente pela população, autorizado a legislar. Sua função é a de, com a existência do Foro Privilegiado, julgar aqueles que se encontram sob esta proteção, e ser a instância determinante da Justiça Brasileira.

Não é de hoje, porém, que os ministros se arvoram à posição de legisladores e tomam decisões, criando jurisprudências, não raro frontalmente opostas às decisões do Legislativo nos mesmos tópicos.

Um exemplo recente é a união entre pessoas do mesmo sexo. O Legislativo sempre vetou as tentativas de se mexer na Constituição, que define que casamento é a união entre um homem e uma mulher.

Numa sociedade democrática, uma mudança precisaria ser aprovada na Câmara e no Senado. Não o sendo, gostando ou não, os progressistas teriam que aceitar que os representantes eleitos pelo povo consideraram que tal pauta não contempla ainda as esperanças e convicções da população.

A sociedade então deveria mudar primeiro, absorvendo estes novos valores, para que o conceito mudasse no eleitor, se tornando em seguida visível no Parlamento.

É um processo muitas vezes lento. Mas a democracia não é atropeladora. E funciona para os dois lados. Conservadores também possuem pautas que consideram importantes e que não contam com anuência Parlamentar. O modo de modificá-las é eleger pessoas afinadas a estes conceitos.

A esquerda já trabalha no campo cultural há muito tempo, ciente de que a modificação se inicia na prospecção perante o cidadão comum, principalmente no ambiente estudantil.

É a tática-mor da guerra cultural.

A novidade agora é a intrusão de um STF notavelmente progressista num debate que não lhe cabe, assumindo posições parciais e direcionadas, contrariando o rito parlamentar e impondo decisões alheias à vontade popular.

Mais uma vez isto ocorreu neste último 29 de Novembro. Três ministros, julgando um recurso num caso de uma clínica clandestina de abortos, entrando num mérito que não constava na ação, legislaram, permitindo que procedimentos abortivos sejam realizados até o terceiro mês de gestação.

Aborto é assassinato. Um feto não é uma extensão do corpo de sua mãe, e não surge de forma espontânea, mas sim, como consequência de um ato que pode ser evitado, ou realizado com proteções que existem justamente para esta finalidade.

O Supremo brasileiro, entretanto, trata um feto de três meses de vida, um ser vivo, como um estorvo descartável, que pode ser eliminado como um excremento.

Nós, o povo brasileiro, nunca demos autorização para que juízes criassem leis. O papel que lhes cabe é cumpri-las, ministro Barroso. Se o senhor quer que as leis sejam modificadas, candidate-se em 2018 e se submeta ao escrutínio das urnas.

Esperamos uma reação firme dos deputados e senadores.

E maior respeito e senso de proporção aos juízes da Corte Suprema do Brasil. Vocês estão desequilibrando a balança da democracia e colocando-a em perigo.

Por Renan Alves da Cruz

Publicado no portal Gospel Prime 

4 comentários em “STF exerce poder legislador: A democracia está em perigo”

  1. Já faz uns 20 anos li uma reportagem na revista Claudia, que me chocou. Eram relatos de mulheres que haviam abortado. Jovens, ‘inteligentes’, lindas, Ficaram grávidas dos namorados. Em comum o que tinham era o uso do aborto como método contraceptivo. Os companheiros não aprovavam a pílula que diziam deixar ‘frígida’. 1- E aquela lenga lenga: ‘meu corpo, minhas regras’? Estavam obedecendo às ordens ‘deles’.
    2- Para não engravidar, o método deve ser posto em prática, ANTES, não depois, óbvio, não?

    • Por isso que sempre dizemos aqui no Voltemos à Direita que nossa batalha mais importante é, efetivamente, a guerra cultural. Tiramos a Dilma, ótimo, isso era essencial, entretanto, nas escolas brasileiras, há uma linha de produção de Dilmas em franco processo de desenvolvimento, com os alunos se alimentando e repetindo esses chavões ordinários.

  2. E a chamada “grande mídia” fez breve comentário e “esqueceram”! Apenas nas redes sociais q estamos lutando! Segue um vídeo do Nando Moura: “https://m.youtube.com/watch?v=Rk9w1INRE3E

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *