Salários em queda: Nova mobilidade social

Por Camila Pati na Exame

Os salários estão em baixa. É o que revela pesquisa realizada pelo site de busca de emprego Adzuna com base na comparação entre remunerações oferecidas em vagas no mês de junho de 2015 e os valores que eram praticados em 2014.

O salário médio das vagas abertas para profissionais com diploma universitário, por exemplo, é de 2.347 reais. As empresas estão oferecendo 246 reais a menos em média do que em 2014.

Na amostra por cidades, a queda é maior em São Paulo (SP). Oportunidades profissionais em solo paulistano têm apresentado salários 20% menores em relação ao ano passado.

Em relação à área de trabalho, há, contudo, boas notícias. De acordo com o levantamento, salários oferecidos aos engenheiros aumentaram, embora ainda sejam valores muito abaixo do piso da categoria que é de 7.092 reais mensais para jornada diária de 8 horas. Além dos engenheiros, os advogados também viram suas remunerações aumentarem de 2014 pra cá.

Enquanto isso, profissionais (de nível médio) da construção civil e da indústria enfrentam reduções salariais de 47% e 35%, respectivamente.
Confira as médias por área de atuação e, em seguida, por cidade.

Voltamos

Não existe mobilidade social apenas com os programas sociais como o Bolsa Família. Isso é conversa velha do PT. A verdade é que a crise econômica já começa a pesar no bolso da população e esta, para ver sua situação piorar, tem consigo boletos e mais boletos: Do carro novo financiado, da viagem paga no cartão de crédito, da TV de última geração, da escola dos filhos, plano de saúde, etc, etc. Para equilibrar todas essas despesas, o único remédio é cortar gastos… Descer um pouco do nível de classe média. Se antes eram chamados de classe média em ascensão, hoje, fala-se de classe média em declínio. Haja mobilidade!

E o que falar daqueles que não possuem nível superior? Vejam lá. A queda nos salários chega a 40%!! A estes, só resta a opção de trabalhar como autônomo, ou, valer-se de mais Bolsa Família.

Os governos petistas tiveram a chance de deixar o Brasil crescer, ao invés disso, optaram por injetar sua matriz econômica. Tai o resultado.

Façamos aqui uma menção honrosa aos advogados que estão vendo suas remunerações aumentarem. Faz sentido. Com tantos políticos e empresários enrolados na Lava-Jato, as bancas de advocacia mais parecem fila de banco grego.

 

Por Jakson Miranda

 

Leia Também:

No que acredita um eleitor petista

Aniversário do 7 x 1 na Copa das copas!

Alckmin: “PT não gosta de pobre, gosta do poder”

No TSE, PT e governo perdem mais uma: Ricardo Pessoa falará tudo?

Grécia: Na guerra entre Zeus e Hades quem vence é a mandioca

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *