Quer mesmo falar de criminalidade, dona Marta Suplicy?

Marta Suplicy é a entrevistada da revista Veja desta semana. Está saindo do PT e quer capitalizar um pouco em cima da ruína petista, dando também suas unhadas na espantalha do Planalto.

Já escrevi antes sobre o oportunismo de Marta e continuo com as mesmas opiniões. Desistir do PT é quase sempre uma virtude. Ademais, a postura da senadora, neste particular, é exceção. Os ratos sempre são os primeiros a deixar o navio que afunda e Marta Suplicy, nada mais é, do que a primeira ratazana graúda a pular do barco.

Ela afirma que o partido tomado pela corrupção não é mais o mesmo que ajudou a fundar e que por isso o deixa, entretanto, assume ter sido uma das entusiastas do “volta Lula” e ter dito ao ex-presidente que se ele não fosse o candidato ao pleito do ano passado, sairia do partido.

Oras, quer dizer que se Lula tivesse sido o candidato, dona Marta toleraria a corrupção?

Também chiou por ter sido preterida nas últimas eleições, tanto à prefeitura quanto ao governo, respectivamente, por Haddad e Padilha.

Tivesse sido candidata, faria vistas grossas aos malfeitos?

No entanto, dona Marta ganhou a medalha mesmo quando o assunto migrou para sua seara predileta: os homossexuais.

Saiu-se com esta:

“Acho que as pessoas se chocam com as coisas erradas. Veja o caso da novela Babilônia. No primeiro capítulo, teve o beijo das lésbicas, achei interessante. Em seguida, a vilã, Glória Pires, deu um tiro a sangue-frio no motorista. Depois, uma outra começou a achacar alguém. Ninguém se chocou com a exibição desses crimes. O beijo das mulheres chocou.”

Minha cara senadora, preciso mesmo dizer à senhora quem é que se choca com crimes no Brasil e quem não se choca? Preciso dizer quem clama contra a impunidade e quem milita por abrandamento de penas? Preciso relembrá-la que correntes ideológicas exigem que as transgressões à lei sejam reprimidas com severidade e quais dão guarida a criminosos usando esfarrapadas desculpas sociais? Quem clama pela revisão da maioridade penal e quem deplora a mera discussão do assunto?

Preciso lembrá-la quem defendeu achacadores mensaleiros por mais de uma década?

Os que deploram a criminalidade, que estão cansados de viver com medo, que não suportam mais a carga de corrupção que são obrigados a arcar, que querem assassinos e achacadores na cadeia são maioria.

Fundir num conceito a ideia de que os que não gostaram da exibição do tal beijo lésbico, no primeiro capítulo da novela, não se preocupam com crimes é desonestidade intelectual, ou burrice pura e simples.

Creio mais na primeira hipótese, portanto, não tente brincar com nossa inteligência!

Proteger criminosos, dona Marta, é coisa da esquerda. A senhora está deixando o PT, mas não renega a facínora ideologia esquerdista.

Não importa em que legenda esteja, para mim, a senhora, politicamente, continua valendo o quase nada que sempre valeu.

 

Por Renan Alves da Cruz 

 

Leia também: 

O oportuno antipetismo de Marta Suplicy

Só o Impeachment? O PT deve ser investigado

Lula está com medo do povo

A Derrocada do PT

Uma Análise do Brasil atual por J. R. Guzzo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *