Quer desqualificar um petista? Deixe-o falar…

Funciona com qualquer esquerdista, pode fazer o teste. Nem é preciso gastar saliva rebatendo-o. Se der corda a ele, se enforca sozinho.

Jogam pedras no próprio telhado de vidro.

O premiado da vez foi Alessandro Molon, da ala católica (?) do PT.

Em sua manifestação esbaforida na comissão especial, tentando defender os infanto-bandidinhos de dezesseis e dezessete anos, junto de Jandira Feghali, aquela que odeia o capitalismo dos outros, não o próprio, Molon apelou a uma hipérbole infeliz.

“A redução abre precedente para negro e pobre ser preso na barriga da mãe”.

Logo Alessandro Molon, que foi inúmeras vezes questionado pela dualidade de defender valores católicos e pertencer ao PT. Ele, que se diz contrário ao aborto, mas não move uma palha para abafar a tara de seus companheiros pelo tema, e nem tem cojones para deixar o partido ou questioná-lo.

Já que Molon está preocupado com as crianças até a idade fetal, sugiro a ele que engrosse as fileiras daqueles que se opõe ao projeto da esquerda e tratam o aborto como inegociável.

Não conheço ninguém, Molon, que defende a diminuição da maioridade penal pensando em agrilhoar crianças.

Crianças, por óbvio, não são marmanjos de dezesseis anos.

Mas conheço um pessoalzinho (e o senhor também conhece), que se incomoda muito com fetos, e que tem em seu assassínio uma de suas bandeiras mais caras.

Se quer defender crianças inocentes, que comece pelos fetos! Que sua palavra seja sim ou não, que não recorra ao cristianismo apenas quando lhe convier.

Ou frio ou quente, deputado. Não há espaço para os mornos.

Vamos começar protegendo as crianças que estão na barriga das mães, deputado Molon?

 

Por Renan Alves da Cruz

 

Leia também: 

 

Defensores de bandidos praticam banditismo. Cadê a novidade?

A Favor da Redução da Maioridade Penal

Contra o Aborto

A Cultura brasileira faliu. Agora você precisa cuidar da cultura dos seus filhos

Um Rio de Janeiro envergonhado

2 comentários em “Quer desqualificar um petista? Deixe-o falar…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *