QUEM PODERÁ SER O EVANGÉLICO NO STF?

(Artigo publicado em 04/06/19)

O presidente Jair Bolsonaro, ao discursar em uma igreja evangélica em Goiânia, questionou se entre os 11 ministros do Supremo algum era cristão, e foi além, sugerindo que muito em breve poderemos ter um evangélico no STF.

Não vou tratar aqui dessa baboseira de “Estado Laico”. Já respondemos essa questão e usar essa frase como argumento a fim de barrar a religião do debate público é coisa de gente ignorante.

O que pretendemos aqui não passará de um simples exercício de levantar hipóteses. Quem poderia ser o evangélico no STF?

É importante frisar antes de qualquer coisa, que pertencer a essa ou aquela religião não deve ser critério para ingressar no STF ou na vida pública em geral, (cargos eletivos) como também não deve ser um impeditivo como querem alguns.

Adiante

Leia também:

Damares Alves e o preconceito da extrema imprensa

Diante dessa possibilidade de ser ter um evangélico na mais alta corte do judiciário brasileiro, alguns candidatos passaram a ser especulados.

O nome mais citado é o do juiz federal do Rio de Janeiro, Marcelo Bretas.

Bretas é o juiz responsável pela Lava Jato carioca, sendo ele quem condenou e mandou o ex-governador Sergio Cabral para o presídio de Bangu. Particularmente acho que não é um nome a altura de uma Suprema Corte. Pode muito bem ser melhor do que muitos que lá estão, mas estes, não devem ser tomados como régua. Acho-o muito midiático e não é disso que precisamos. O STF já tem seus Mendes…

Bretas não é o único, obviamente.

Menos famosos que o juiz carioca, outros dois nomes são lembrados. São eles: o desembargador João Pedro Gebran Neto e o também desembargador Victor Laus, recém-eleito presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região de Porto Alegre.

Foram os dois, mais o desembargador Leandro Paulsen quem condenaram em segunda instância o ex-presidente Lula. Porém, diferente do juiz Marcelo Bretas, não se sabe se Gebran ou Laus são cristãos evangélicos. Também diferente de Bretas, ambos passam a impressão de serem mais comedidos.

No caso do desembargador Victor Luiz dos Santos Laus, ao tomar pose como presidente do TRF 4 fez a seguinte declaração:

“Humildemente, pedimos a Deus que nos ilumine nessa nova tarefa (…), a fim de que possamos ser, apenas e acima de tudo, um homem-juiz”.

E você, leitor, tem algum nome de preferência para o STF? 

Façam suas apostas… Melhor, façam suas orações!

Por Jakson Miranda

SIGAM-NOS PELAS REDES SOCIAIS E ASSINEM NOSSA NEWSLETTER!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *