Pronunciamento de Temer e a pergunta que não quer calar

O pronunciamento de Temer, na tarde deste sábado, não foi capaz de responder algumas importantes perguntas.

Antes, porém, leiam o que disse o presidente

O presidente Michel Temer fez neste sábado um pronunciamento afirmando que o áudio gravado pelo dono da JBS, Joesley Batista, foi adulterado, teve mais de 50 edições, e pediu a suspensão do processo que foi aberto no Supremo Tribunal Federal (STF) para investigá-lo. Temer disse que permanece na Presidência e negou que tenha cometido o crime de corrupção passiva, pois os pleitos do empresário não foram atendidos. Chamou Joesley de “fanfarrão” e afirmou que não acreditou nas afirmações do empresário de que havia cooptado juízes e promotores.

– O que ele fala em seu depoimento não está no áudio. E o que está no áudio demonstra que ele estava insatisfeito com o meu governo. Essa é a prova cabal de que meu governo não estava aberto a ele. Fica patente o fracasso de sua ação. O CADE (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) não decidiu a questão solicitada por ele. O governo não atendeu a seus pedidos. Não se sustenta, então, a acusação pífia de corrupção passiva – disse Temer.

Este foi o segundo pronunciamento do presidente em menos de três dias.

No pronunciamento, Temer também fez duros ataques a Joesley:

– O autor do grampo está livre e solto, passeando pelas ruas de Nova York. O Brasil que já tinha saído da mais grave crise econômica vive agora dias de incerteza. Ele não passou nenhum dia na cadeia, não foi preso, julgado e punido. Pelo jeito não será, cometeu o crime perfeito. Graças a essa gravação fradulenta, especulou contra a moeda nacional. A notícia foi vazada por gente ligada ao grupo do empresário, que antes de entregar a gravação comprou 1 bilhão de dólares porque sabia que isso ia provocar o caos no câmbio – afirmou Temer.

Encerramos

O pronunciamento de Temer foi rápido. O presidente entrou e saiu sem falar com a imprensa e assim, não deu a ninguém a possibilidade de lhe fazer algumas perguntinhas básicas:

Por que um presidente da República aceita receber um empresário investigado pela justiça, na calada da noite e sem registro na agenda oficial?

Qual a relação do presidente com o deputado Rodrigo Rocha Loures?

Qual a opinião do presidente sobre o afastamento determinado pelo STF, do referido deputado, por este ter recebido R$ 500 mil da JBS, cujo dono, Temer mantivera conversa clandestina?

Por Jakson Miranda

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS! 

[aps-counter]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *