Por que assistir o filme Lion Uma jornada para casa no dia das mães?

De forma inquestionável, chego à conclusão que o filme Lion foi um dos grandes injustiçados da premiação do Oscar 2017. Isso acontece porque não é de hoje que a premiação do Oscar segue um viés ridiculamente político.

Há tempos que eu havia decidido indicar o filme Lion para o dia das mães, pois entendo que se trata de um filme cujo conteúdo não tem data melhor para ser visto por toda família do que no dia em que se comemora, de forma mais enfática, a mãe, seja ela biológica ou não.

Por falar em família, registro aqui que minha critica ao filme arrebatador de multidões, Vingadores – Guerra Infinita Por que não assistir ao filme Vingadores – Guerra Infinita? tem suscitado um intenso debate em nossa página: as pessoas se dividem entre aqueles que dizem que tenho problemas mentais e aqueles que dizem que sou um religioso fundamentalista. Afirmam isso porque sustentei o argumento de que para combater o mal que Thanos representa não precisamos de super-heróis e sim, de indivíduos normais, mas que trilhem o caminho que os leve à Cristo.

Bem, comecei o parágrafo acima falando de família e terminei falando de super-heróis. Fiz isso porque não são poucos os super-heróis cujo passado, fictício, remete a relações familiares conturbadas. Tony Stark, ou Homem de Ferro, é um exemplo disso. Portanto, trata-se de personagens, que embora tenham algumas virtudes, estão sempre envoltos em crises existenciais e em busca de um sentido para a vida. Não são esses os modelos que queremos para nossos filhos, certo?! Pronto, os haters podem continuar me atacando, embora, sem nenhum contra argumento plausível.

Por que assistir o filme Lion no dia das mães

Lion – Uma jornada para casa narra exatamente isso, a jornada que o personagem Saroo empreende de volta para casa depois de aos cinco anos de idade se perde de sua família, na populosa Índia. O que seria, normalmente uma sentença de morte ou, uma sentença de ver sua situação de pobreza e penúria ser piorada através da exploração infantil. Todavia, em um lance do destino, já que o acaso e a sorte não são capazes de dá sentido aos fatos da vida, Saroo é adotado por uma estruturada família australiana.

Sim, a criança é amada, é acolhida e ganha uma nova vida, levando-o quase a esquecer de seus cinco anos vividos no país asiático, em suma, suas origens.

Estou tentando ter o cuidado de indicar o filme sem avançar nos spoliers, o que torna a escrita bem limitada. Pelo que já antecipamos Lion – Uma jornada para casa pode passar a impressão de ser um filme “mais do mesmo”, que narra a história de uma criança pobre, adotada por uma família rica, que após anos, volta para os braços de sua família pobre. Embora mostre sim, a extrema pobreza na Índia, não é disso que o filme fala.

Em síntese, como bem definiu a critica de cinema Isabela Boscov, Lion é feito para comover. E comove, antes de mais nada, pela largueza com que quer compartilhar a história desse personagem de bravura leonina.

Em outras palavras, estamos diante de uma genuína e literal história de cinema que apesar dos erros na condução da narrativa, não esconde sua beleza e não nos impede de ficarmos verdadeiramente emocionados.

Cada minuto das duas horas, ao final, valem a pena. E se no derradeiro minuto, você, caro leitor e leitora, não estiver com a voz embargada e os olhos lacrimejantes, receio por seu senso de sensibilidade e desconfio que você esteja assistindo a muitos filmes de super-heróis. (risos).

Sigam a dica, aproveitem o filme e tenham a certeza de que seja você mãe de barriga ou de vida; seja mãe desde sempre ou escolhida, o fato é que os tipos podem mudar, mas, a intensidade do amor, nunca!

Feliz dia das Mães!

Por Jakson Miranda

Related Post

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *