Os salvadores do mundo segundo Gregório Duvivier

É claro que eu gostaria de escrever sobre outras coisas mais importantes, mas deram uma coluna pro Duvivier na Folha que, convenhamos, não é um jornaleco de bairro, gostemos ou não de sua visão editorial. Quando alguém de tão baixo quilate sai das portas dos fundos que o mereciam para um canhão como este, é obrigação dos lúcidos desmascararem suas atrocidades falaciosas.

Gregório, que a exemplo de Sakamoto, gosta de imaginar Jesuses comunas, sem paralelo bíblico e histórico, como ficção fantasiosa alimentatória da ideologia assassina que defendem, defeca ideias de novo em sua coluna desta semana.

Elenca seus salvadores do mundo. São os vegetarianos, os que colocam fotografias com filtro de arco-íris no face, os que lutam contra a homofobia, os que vão mais além e lutam contra a transfobia (algo que significa a mesma coisa que a anterior, mas ao criar outra palavra, têm duas acusações contra quem discorda do que eles pensam), os assistencialistas, os feministas e os recicladores.

Em maior ou menor grau, leitor, no duvivierismo, estes são os que estão fazendo algo pelo mundo.

Qualquer um que discorda da bandeira levantada por outrem é um atrapalhador.

O problema é exatamente esse: alguém fazendo alguma coisa lembra a gente de que a gente não está fazendo nada. Quando o vizinho separa o lixo, você se sente mal por não separar. A solução? Xingar o vizinho, esse hipócrita que separa o lixo, mas fuma cigarro. Assim é fácil, vizinho.

Quem não faz nada pra mudar o mundo está sempre muito empenhado em provar que a pessoa que faz alguma coisa está errada —melhor seria se usasse essa energia para tentar mudar, de fato, alguma coisa. Como diria minha avó: não quer ajudar, não atrapalha. 

Assim funcionam o tico e o teco de Gregório. Não aprovar as bandeiras da esquerda é não fazer nada. Ser um crítico da hipocrisia politicamente correta é não fazer nada pra mudar o mundo.

Trabalhar para gerar riqueza? Não conta, seu opressorzinho!

Fazer o bem é apoiar as causas!

E não venha com esse papo de salvação judaico-cristã!

Afinal, é a esquerda que conhece o Jesus secreto não revelado.

Sakamoto já escreveu que Jesus, se vivesse hoje, seria um negro a sofrer racismo; depois disse que seria gay, depois que seria do MST, e assim por diante… Duvivier já escreveu como um Jesus, certamente não o Cristo, em primeira pessoa, fazendo odes ao ativismo gay.

O Jesus da esquerda deploraria o pedido de dízimos, mas provavelmente adoraria captar recursos via Lei Rouanet.

Mas salvadores do mundo mesmo são os vegetarianos recicladores!

 

Por Renan Alves da Cruz

 

Leia Também:

 

Mentiras adverbiais: As muletas gramaticais da esquerda

Para choro e desespero da esquerda: Documentário sobre Olavo de Carvalho

A importância de Ler Guilherme Boulos

O mimimi de Leonardo Sakamoto

Polícia prende Karl Marx: O original ainda é idolatrado

2 comentários em “Os salvadores do mundo segundo Gregório Duvivier”

  1. Só Jesus (o verdadeiro) na causa. Haja paciência para tanta bobagem! Se os comunistas desprezam as religiões (consideram o ópio do povo) não acreditam em Deus, nem na Bíblia, deixem os cristãos em paz…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *