O que aprendi com o futebol e com a literatura

Sou apaixonado por futebol e literatura.

Como torcedor passional de um time de futebol e frequentador assíduo de estádios, aprendi a ganhar e a perder, e que algumas derrotas são mais dolorosas que outras… enquanto algumas vitórias também são mais saborosas.

Aprendi que nem sempre o melhor vence, e que nem sempre o pior perde.

E que nem sempre o resultado final é justo.

Saber ganhar e perder, no que podemos considerar como a Era do Mimimi, se impõe como uma necessidade patente, que quando mais cedo aprendida, mais rápido molda o caráter e promove o amadurecimento.

As metáforas da vida podem encontrar sentido onde menos se espera.

O leque de aquisições valorais que adquiri com a literatura, por certo, assume a condição de imensurável. Sou um leitor voraz, graças a Deus, desde a infância. Leio como necessidade. Leio como me alimento, como me hidrato e como durmo.

Hoje, por exigência profissional, moral e volitiva, me debruço sobre campos diversos do aprendizado, leio ao mesmo tempo sempre um livro de filosofia, um de ciência política, um de apologética – meu campo preferido da teologia –, um evangélico e um de história – minha área de atuação.

Lendo paralelamente cinco livros de áreas de aprendizado, me seria, dentro de um contexto normal, impossível ler literatura, ou, na melhor das hipóteses, algo para se fazer dentro de certos intervalos para deleite próprio, como um hobby.

Ademais, sacrifico outras áreas da vida, reconhecendo muitas vezes ser custoso, para que, a despeito dos livros que estou lendo e estudando, leia, sem exceções, dois livros de literatura ao mesmo tempo.

Não abro mão disso! Não abro mão de ler, sem pausa, dois livros de literatura simultaneamente.

Como esta simultaneidade se amplia aos outros cinco de não ficção, além de jornais, revistas e blogs, tenho de dedicar diariamente à leitura um período de três a cinco horas.

O que exige sacrifício. Exige diminuir meu tempo de descanso, de lazer e de sono, já que não posso me eximir de trabalhar para obter meu sustento.

Não pense que escrevo este artigo como uma ostentação intelectual, para demonstrar ser mui sábio por ler muitos livros ao mesmo tempo. Pelo contrário. A absorção de tudo o que leio seria muito melhor se fosse focada e direcionada.

Meu propósito é confessar que de literatura não abro mão.

Pois o que aprendi com ela, jamais encontrei em livros acadêmicos ou na mais profunda filosofia.

E não estou advogando em defesa somente dos clássicos e da alta literatura. Na verdade, leio mais ficção popular do que clássicos.

O ponto elevado da literatura é proporcionar ao leitor, com maior propriedade que qualquer outra dimensão artística, a possibilidade de se perguntar: “e se?”

“E se fosse eu?”

“E se fosse com alguém que amo?”

“E se fosse no lugar em que estou?”

“E se fosse com a minha família?”

Assim como aprendi valores de vitória e derrota com o futebol, com a literatura exercitei e exercito a minha cosmovisão.  Toda a minha visão de mundo, minha posição moral, minha ética, meus princípios… tudo colocado à prova na constância das páginas que viro, através das proposições fornecidas.

Em cada história que leio, para cada trama, em cada decisão de personagem, para cada guinada de enredo, há sempre uma análise, um aprendizado, uma troca muda de lugar, em que rumino sobre o que eu faria.

E isto, meus amigos, suplanta qualquer filosofia. É mais vivaz do que qualquer teoria, em qualquer campo. É a vida em toda a sua alçada.

Devo muito à literatura.

Ensaio diariamente para a vida lendo livros.

Por isso que, sob nenhuma circunstância, abro mão da literatura.

Publiquei aqui no Voltemos à Direita – e continuarei publicando – resenhas de alguns livros que li, afinal, este também é um portal de cultura.

Estes são os textos menos acessados do portal. Ganho 10, 20, 30 vezes mais acessos falando mal do PT e batendo na esquerda.

Mas não deixarei de divulgar boa ficção para estes poucos corajosos.

Abro mão de alguns cliques.

Mas, como já disse, de literatura não.

Por Renan Alves da Cruz 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *