O oportuno antipetismo de Marta Suplicy

Dona Marta, agora, não perde uma oportunidade de espancar o PT. Tomou ontem um tapa de luva de pelica de Luiza Erundina, que a julgar pelo que se especula, será em breve sua colega de legenda. Erundina, disse que quando saiu do PT não saiu batendo.

Marta está saindo e bate sem dó nem piedade, jogando Dilma e o PT contra a parede.

Todo mundo tem direito de se emendar em algum momento da vida. Dona Marta, agora septuagenária, não é uma exceção. E, sinceramente, gostaria de crer que a madame Suplicy finalmente despertou de décadas – para não dizer uma vida inteira – de sandice política e moral.

Mas creio que não será dessa vez.

Muita gente largou o PT no meio do caminho. Alguns há mais tempo, outros depois da dinamitação do Mensalão. Muitos continuam expelindo desonestidade intelectual em outras siglas, outros migraram à direita.

Contudo, os que permaneceram após o mensalão revelaram sua faceta.

Dona Marta continua sendo Marta Suplicy. A mesma dondoca que se perfez na política como a madame chique e rica que se preocupava com os pobres, mesmo que não tivesse tal obrigação. A dama das minorias, a cuidadora das periferias, a padroeira dos gayzistas.

E se o PT tivesse lhe cedido as indicações almejadas, ela estaria caladinha, como fez quando aceitou um ministério em troca do apoio a Haddad.

Se Marta tivesse sido candidata ao Palácio do Governo, no lugar do ridículo Alexandre Padilha, o poste que Lula não conseguiu acender, seu surto antipetista estaria domado, e sua lealdade ao partido permaneceria intocada.

Posso concordar com críticas que Marta faz a Dilma, porém, ela está empurrando um bêbado na ladeira! Com as mentiras de campanha da presidente sendo esfregadas na cara dos brasileiros, enquanto seus índices de aprovação caem mais drasticamente que o Real frente ao Dólar, é fácil agora bradar essa “rebelião” de araque.

Pra mim não cola, Dona Marta. Não creio que a senhora tenha distúrbio de dupla-personalidade. Continua sendo a velha Marta de sempre. Só quer ser uma das primeiras a abandonar o navio que está afundando.

Pode continuar com seu antidilmismo oportunista, tentando agradar a classe média paulistana que escolherá seu prefeito no ano que vem. Meu apreço a senhora não leva.

Não importa em que partido esteja, Marta e PT serão sempre farinha do mesmo saco.

Por Renan Alves da Cruz

 

Leia também: 

A redoma da mídia brasileira a Lula, o inmensalável e impetrolável

Fernando Haddad: dos 50 tons de vermelho das ciclovias às salas de aula

O mimimi de Leonardo Sakamoto

Grandes derrotas do PT são grandes vitórias do Brasil

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *