Diferenças entre a direita conservadora e a liberal: O debate entre Nando Moura e Arthur Moledo do Val

Nando Moura e Arthur Moledo do Val realizaram um interessante debate com mediação do canal Terça Livre.

A união da direita é importante, e tem produzido resultados palpáveis, entretanto, há um ponto de brusca ruptura entre liberais e conservadores, que precisa ser devidamente entendido e considerado.

Nós do Voltemos à Direita somos conservadores. Concordamos com os liberais na maior parte das questões econômicas. Também somos favoráveis ao Estado enxuto, redução de impostos, livre-mercado e meritocracia. Nestes pontos convergimos.

As divergências, entretanto, são profundas. Englobam questões morais e comportamentais. Aspectos que, nós conservadores, vislumbramos perigosa proximidade entre a agenda cultural da esquerda e a visão dos liberais.

Consideramos o aborto voluntário um assassinato; os liberais tratam como uma escolha individual da mãe.

Também divergimos na questão da criminalização das drogas. Eles defendem que usar ou não é uma prerrogativa do indivíduo. Nós entendemos que a questão diz respeito à sociedade como um todo, já que as consequências deste uso recaem sobre todos, e não meramente ao usuário voluntário.

Nós, conservadores, reconhecemos a indiscutível contribuição do cristianismo à sociedade ocidental, como força motriz do progresso, da ética e da moralidade, entendendo que a laicidade do Estado não representa antirreligiosidade; eles, evocando um conceito errático de Estado Laico, atacam a influência e representatividade do cristianismo na formação do Brasil, renegando uma construção histórica que transcende posições momentâneas.

Há divergências também no que tange à questão gayzista, englobando casamento e adoção de filhos. Eles a favor, nós contra.

Nando Moura e Arthur Moledo do Val realizaram um debate sobre alguns dos temas que opõem conservadores e liberais. O cômputo geral foi bom. Nando tem quase um milhão de seguidores no youtube, publicando vídeos que, em sua maioria, abordam temas concernentes ao conservadorismo.

Arthur Moledo do Val é um dos coordenadores do Movimento Brasil Livre.

O debate, realizado em formato de hangout, abordou didaticamente alguns temas e mostrou não apenas a evidente supremacia de Nando enquanto debatedor em relação ao oponente, mas, sobretudo, a supremacia da lógica e moral conservadora sobre os argumentos esparsos e pasteurizados esgrimidos pelos liberais.

O debate não se pretendeu acadêmico, sendo bem palatável. Ficou marcado pela fidalguia entre os participantes. Alguns podem questionar a ausência de profundidade, porém, para um esclarecimento que atingisse um público mais abrangente, achei preferível o estilo despojado. Melhor do que uma discussão empolada e filosofante.

Nando se manteve coerente o tempo todo, firme e sem se contradizer. Arthur repetiu chavões, alguns ginasiais, para defender seus pontos de vista.

Chegou ao cúmulo de, num determinado momento, dizer que todas as crianças adotadas por casais homossexuais haviam sido abandonadas por casais héteros!

Sem complementar que… são estes os únicos capazes de reproduzirem naturalmente, dando continuidade à espécie.

Ou seja, nenhum casal homossexual abandonou a criança que gerou, pelo simples fato de que não podem gerar…

Aos neófitos, que estão começando a aprender os conceitos, moldando seu posicionamento, creio que o debate forneça um interessante ponto de partida.

Você pode assisti-lo aqui:

Por Renan Alves da Cruz

17 comentários em “Diferenças entre a direita conservadora e a liberal: O debate entre Nando Moura e Arthur Moledo do Val”

  1. Concordo que algumas posições dos liberais (ou libertários) mais parecem de esquerdistas, mas nesse momento é inegável que devemos unir forças para acabar com as influências esquerdopatas e depois nos resolvemos!

    • Sim, Fábio, isso mesmo. Nossa direita ainda engatinha e é cedo para se dividir, mas é sempre bom ponderar essas diferenças, para que, não haja confusão no que se refere a certas posturas nossas, que divergem potencialmente das deles.

  2. Pois e. Eu nao sei qual direita me enquadro. Por exemplo. Sou contra o aborto. Defendo a criminalizao das drogas exceto a maconha q deve ser legalizada para fins medicinais. Se assim fosse o cigarro deveria ser proibido ja que e pior. Defendo o estado laico. E sou contra adocao de filhos por casais homosexuas e mas nao sou contra o casamwnto, ja q eles morarao juntos idependente disso. ?

    • Caro Felipe, obrigado por seu comentário e a exposição de suas ideias. Felipe, quanto a questão da maconha é importante não associarmos o uso do principio ativo para fins medicinais, com o fumo indiscriminado e maléfico. A ministração da maconha para fins medicinais não é feita mediante o fumo. Quanto ao cigarro, chamo sua atenção para a contradição desses grupos: Enquanto lutam pela proibição do cigarro, que paulatinamente está sendo proibido (Daqui a pouco o individuo será multado por fumar em casa), lutam, por outro lado pela “descriminalização da maconha.

      Não sei qual o seu conceito de Estado laico, mas, esclareço que não existe Estado laico. O Estado a todo instante, estará professando alguma crença. Quanto ao casamento homossexual entendo que essa é uma bandeira de grupos que que querem forçar o Estado a legislar em uma questão que não lhes pertence.

  3. Na prática o Brasil é um Estado laico “sui generis”, ou seja, admite que o povo tenha a sua liberdade de escolher este ou aquele credo religioso – até mesmo nenhum deles -, no entanto há a inegável predominância da religião católica apostólica romana. Isso se constata com as datas festivas (feriados) dedicadas a Jesus Cristo e santos católicos: Natal, Corpus Christi, Senhora Aparecida, santos padroeiros nos municípios e por aí vai!

    • E assim que deve ser, pois esta é a construção histórica do país. Eu não sou católico, mas não posso querer apagar da história o fato de que toda a tradição que erigiu o país é católica.

  4. Penso que, assim como muitos leitores, alterno entre Conservador ou Liberal de direita em diferentes pautas. Geralmente direitistas convergem na esfera econômica (o tripé do monarquismo, inclusive): propriedade privada, livre iniciativa, princípio de subsidiariedade (Estado mínimo). Porém, pautas mais “sociais” criam divergência e eu, particularmente, alterno entre conservadores e liberais: sou contrário ao aborto (exceto nos casos já previstos em lei, como estupro ou risco de morte da mãe), defendo a legalização da maconha, especificamente (coloco-a no mesmo patamar do cigarro e das bebidas alcoólicas, tratando-se de escolha puramente individual) e do porte de armas, bem como do casamento entre homossexuais e da adoção por parte destes (objetivando o bem estar da criança, considero menos danoso conviver com um casal homossexual, sendo amado, doq crescer no sistema como órfão). Quanto à laicidade do Estado, considero a adoção de um “Estado Cristão”, para tirar a especificidade de uma instituição (igreja Católica), mas reconhecer nossa formação cultural, a representação popular (unindo os dois maiores segmentos: católicos e evangélicos que juntos são 86% dos brasileiros) e combater a cescente islâmica.

    • Acho salutar agregar algumas pautas mais liberais ao pensamento conservador. Mas tendo ao conservadorismo nos temas em que há afrontamento entre ambos

  5. sou liberal, sempre voto no menos esquerda possivel, no caso atual vai ser o bolsonaro mesmo, ele é conservador mas melhor que alguém da esquerda.

  6. Não entendo muito sobre política, é tudo muito novo para mim. Tomei gosto de fato, há pouco mais de dois anos. O que eu acho é que quando esse país voltar ao verdadeiro “rumo” e não existir mais comunismo, creio que essa divisão de direita liberal e direita conservadora irá criar grandes conflitos e logo mais muito dos esquerdistas irão fazer uma espécie de “upgrade”, ou seja, uma migração para a direita liberal. Já que, a esquerda não vai mais predominar e só os resta essa opção. No meio dessa direita “liberal” eles irão encontrar ideologias de seus interesses que estarão envolvidas, arquétipo; aborto e drogas ilícitas, ou seja, voltaremos a estaca zero novamente. Vai ser muita treta isso!

    • Olá, Liz, tudo bem?
      O risco que você alerta é real. Liberais importantes no cenário brasileiro, como Rodrigo Constantino, perceberam a mesma coisa. Sem um acento conservador, o liberalismo se conjumina ao esquerdismo em alguns temas, principalmente nos ditos costumes. É por isso que nossa visão é conservadora. Defendemos a economia de mercado e a diminuição da intervenção estatal, no entanto, temas como drogas e aborto são inegociáveis. Neste ponto não diferenciamos liberais de esquerdistas, infelizmente.

  7. Sinceramente eu não vejo uma razão óbvia e lógica para alguém ser contra casamento ou adoção de filhos para um casal homossexual… vocês nunca irão sair do lugar com esse tipo de pensamento nonsense.

    • “Você quem vai ser a mamãe hoje”? “Ah, não”? “Ontem, quem era a mamãe”? Você percebe a confusão que isso causa a uma criança?

  8. Estou a favor do aborto, porém estou totalmente em contra da descriminalização das drogas, também não acredito que o Estado seja laico, pois há predominância no cristianismo católico e não tenho dúvidas de que fora importante, (querendo ou não) na formação do nosso país atual. Falando dos casais homossexuais, a questão de adoção pode ser complicada, como alguns conservadores dizem pois talvez possa gerar confusão na criança, porém, se vai ser permitido deveriam achar uma “solução”, (não sei se ficou compreensível). Enfim, acho sou mais da direita liberal mesmo, porém, respeito à direita conservadora e acredito que a nossa melhor opção seria unir-nos para combater a esquerda na economia já que jamais será a melhor opção para nosso país.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *