Jonathan Tropper e Nick Hornby: Literatura para o homem real

Se você é leitor(a) de ficção, sabe: há um déficit importante no cardápio literário: livros que abordam o universo masculino.

Sim, sei que há livros policiais e de ação aos montes. Livros com muitos tiros, mortes, violência, assim como aqueles especializados em inflamar a libido.

Há, no entanto, poucos livros que abordam o universo masculino real. O cotidiano, os gostos, a vivência, as incompreensões e as loucuras desses serezinhos tão múltiplos e, ao mesmo tempo, quase sempre, previsíveis.

Vivemos uma fase de segmentação na literatura. No Brasil essa praga é ainda pior. Se observar os lançamentos literários e os premiados em concursos verá que são sempre livros militantes. Há livrarias que já possuem subcategorias bizarras para a catalogação, coisas como literatura LGBT, feminista e da negritude…

É a morte da cultura. O momento em que a arte preferiu militar a sensibilizar.

Por essas e outras que quase não leio literatura nacional. No exterior, também há segmentação e também há progressismo chato e politicamente correto escorrendo das páginas, mas selecionando bem é possível se encontrar coisa boa.

Leio muito, já expliquei  num artigo aqui o porquê, e poucas vezes me deparei com livros críveis sobre o universo masculino. Já vi mulheres reclamando de serem retratadas de forma superficial ou estereotipada na literatura e não duvido que isso aconteça, entretanto, como há um mercado muito forte de livros voltados ao público feminino, creio haver uma possibilidade maior de algo bom também lhes chegar às mãos.

No caso masculino há pouca dedicação. Talvez seja medo de receber o emblema de “machista” por escrever sobre coisas que os homens pensam, talvez seja falta de interesse do público mesmo, contudo, confesso, percebo esta lacuna e exulto quando encontro algum bom livro que possua estes predicados.

O melhor livro que agrega estas condições é o Alta Fidelidade de Nick Hornby. Costumo dizer que é o livro que todo homem deveria ler. Foi o primeiro livro de Hornby que li, um daqueles livros que de vez em quando aparecem na vida de leitores compulsivos, que ao terminar a última página, sua vontade é voltar ao começo e ler tudo de novo.

Mesmo sendo um livro curto, duzentas e poucas páginas, aborda principalmente as paranoias da vida masculina, naquele estilo em que suas conquistas e desilusões podem ser musicadas com a trilha sonora daquilo que você ouvia naquele momento, ou os filmes que via, ou os lugares que frequentava.

É o livro do homem burro, que não entende porque fez determinadas coisas, mas mesmo assim, continua repetindo os mesmos erros. É o livro de todo homem, porque todo homem é meio burro.

Alguns são tão burros, mas não burros, que não conseguem perceber que o são.

O problema de Nick Hornby é que os outros livros não acompanham a genialidade de Alta Fidelidade. Talvez pelo medo de ficar marcado, tentou surfar em outras ondas e não conseguiu o mesmo nível. A obra que mais se aproxima desta qualidade é outro livro com viés masculino, Febre de Bola, que faz associações com o futebol.

Afinal, como Hornby sabe, homem que é homem tem que parar o que estiver fazendo para ver outros vinte e dois homens correndo atrás de uma bola. É um rito inerente à masculinidade.

Homem que é homem tem que torcer para um time.

Hornby, no entanto, não consegue ser mais do que esparso neste gênero carente. Como ele há inúmeros outros que ciscam pelo setor, mas não se estabilizam. A maioria das pessoas não sabe, por exemplo, que o melhor livro de Mario Puzo não é O Poderoso Chefão, mas um livro pouco comentado ante a dimensão que o cinema deu aos Corleone, chamado Os Tolos Morrem Antes. Ali também há masculinidade para se tirar o chapéu. Puzo, no entanto, preferiu o nicho da máfia e, creio, escolheu bem, financeiramente falando.

Poderia listar outras obras isoladas dignas de aplausos, mas este artigo precisa acabar um dia, logo, concluirei com Jonathan Tropper, que é a inspiração para ele.

Acabei de ler Antes de partir desta para uma melhor e encontrei um novo Nick Hornby.

Não, não é melhor que Alta Fidelidade.

Mas a visão está ali. A linguagem. O entendimento testosterônico.

Fui pego de surpresa, até porque o livro tem cara de best-seller bobinho e eu estava naquela ressaca de terminar um livro magnífico e ter que começar outro. No caso, havia lido a obra prima de Dennis Lehane, Sobre Meninos e Lobos.

Ainda sob o impacto de seu final contristador, permeado pelas duras reflexões suscitadas, olhei aquela capinha toda colorida e pensei: “deve ser uma merda”, mas comecei.

E qual não foi minha surpresa.

É a história de Drew Silver, ex-baterista de uma banda de um sucesso só, divorciado e infeliz, que recebe a notícia de que possui uma enfermidade seríssima que o matará em poucos meses se não realizar uma cirurgia de risco. Drew, que não quer viver mais aquela droga de vida, decide que não fará a operação, e quer aproveitar para consertar algumas besteiras que fez… mas isto não o impedirá de fazer outras…

Sinopses nunca fazem jus, porque o que dá qualidade a um livro é a condução narrativa. Qualquer enredo ruim funciona nas mãos certas, e se você quer um livro que fale um pouco sobre como é ser homem neste mundo doido de hoje em dia, as mãos de Tropper são as certas.

Ainda bem.

Estamos precisando.

Por Renan Alves da Cruz

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *