Vladimir Putin não é um louco a ameaçar o mundo, já Donald Trump…

O presidente russo Vladimir Putin, anunciou na semana que se encerrou que a Rússia possui novas armas nucleares.

Segundo se noticiou, os russos desenvolveram misseis inatingíveis pelos atuais sistemas de defesa. São os chamados misseis hipersônicos. Além de veículos subaquáticos não tripulados com capacidade de carregar ogivas nucleares e ainda, um sistema de armas a laser.

Putin anunciou todas as novidades armamentistas com um discurso ameaçador, iniciando, assim, o que se pode considerar o início de uma nova guerra fria.

Também na mesma semana, o presidente americano Donald Trump anunciou que os EUA taxarão em até 25% sobre o aço importado e em 10% sobre o alumínio. Segundo se notícia, a medida tem como argumento a proteção nacional dos EUA e a revitalização da indústria norte americana.

Vladimir Putin NÃO é um louco a ameaçar o mundo…

Vladimir Putin domina a política da Rússia há 18 anos e, caso vença as eleições este ano, chegará a 24 anos no comando do grande urso polar. Para alguns analistas, mesmo após deixar o Kremlin em 2024, Putin não deixará de ser o principal líder político de seu país. Nessa trilha, associá-lo a outro líder russo (nada lisonjeiro) é inevitável. Stalin.

Sob o comando de Putin, a Rússia anexou a Crimeia, usou de sua influência para desestabilizar a Ucrânia, Geórgia e Balcãs. Além de não esconder de ninguém sua participação na Síria. Será que essas incursões do presidente russo têm tornado o mundo mais seguro? Somente um débil pode responder de forma afirmativa essa indagação.

Não obstante, não se leem e muito menos se ouve o brado indignado dos pacifistas. Aonde estão eles, aliás?

Confesso que não tenho acompanhado o noticiário de forma adequada de modo que não tomei conhecimento das centenas de artigos alertando contra a escalada belicosa da Rússia. Diante desse silêncio dos analistas e especialistas que a imprensa não se preocupou em ouvir, chegamos à conclusão que NÃO, Vladimir Putin não é um louco a ameaçar o mundo.

Já Donald Trump…

O mesmo não se pode dizer de Donald Trump. Sua eleição foi rodeada de temores apocalípticos. E recentemente, EUA e Coreia do Norte assanharam as redações da imprensa. Diziam que dois loucos poderiam levar o mundo à terceira guerra mundial. Nada aconteceu.

Leia também nosso artigo Saída da Unesco é um pé na bunda que o governo Trump dá na ONU globalista

Por falar em guerra, a bola da vez é a guerra comercial. Artigos criticando a medida de Trump brotam à mão cheia.

É obvio, todo cuidado é pouco. Donald Trump e não Vladimir Putin é quem mais ameaça a paz mundial. Se não for por meios bélicos, o será por meio de taxação de aços e alumínios. Senão isso, será por qualquer outro artificio.

Em resumo, o mundo não se preocupa com Putin, é bem possível que torça pelo surgimento de outros iguais…

Apoie nosso trabalho e siga o voltemos à direita pelas redes sociais!

 

Por Jakson Miranda

 

Governo de Donald Trump atua contra o aborto

O governo de Donald Trump, segundo a grande mídia, marcaria o início de uma Era apocalíptica para os EUA e o mundo. Para entender essa nossa afirmação, é importante que o leitor leia nosso primeiro post sobre Donald Trump. Clique AQUI agora e veja o que afirmamos à época em que Trump era apenas motivo de chacota para os “especialistas” de plantão.

Pois bem, até agora muitos insistem na ladainha de que o atual presidente dos EUA é um caos, embora a administração Trump tenha se mostrado na esmagadora maioria das vezes, infinitamente melhor que os oito anos de Barack Hussein Obama.

Nesse post mencionarei de forma sucinta, apenas mais um exemplo do que digo.

Nesta sexta feira, Donald Trump se tornará o primeiro presidente americano a enviar uma mensagem de saudação, do jardim das Rosas da Casa Branca, para a Marcha para a Vida, evento contra o aborto que acontece anualmente na capital federal, Washington, DC.

Leia também

Frio nos EUA é culpa do aquecimento global

Saída da Unesco é um pé na bunda que o governo Trump dá na ONU globalista

Em quarenta e cinco anos de Marcha para a Vida, que esse ano tem a estimativa de reunir mais de 100 mil pessoas, nenhum ocupante da Casa Branca havia mandado mensagem de apoio ao ato.

Jeanne Mancini, presidente da organização Marcha para a Vida, deixou claro o papel do presidente Trump na luta contra o aborto:

“Desde o seu primeiro dia no cargo, o presidente Trump manteve-se firme em suas promessas de campanha para a causa pró-vida e trabalhou ativamente para proteger o feto”.

Bem, o que Jeanne afirma é apenas um dos casos da Era apocalíptica que o governo de Donald Trump iniciou. Claro, se olharmos isso sob a perspectiva da CNN, GlobonewsLixo, Foice de S. Paulo, entre outras.

Para essa turma, o governo de Donald Trump tem uma mensagem: São todos Fake News!

Por Jakson Miranda

 

Cantor Seal desmascara Oprah Winfrey

O cantor Seal é dono de alguns dos hits mais tocados na década de 90, como “Crazy”, “Kiss from a Rose”, entre outros. Ou seja, é uma pessoa que faz parte do show business, é uma pessoa que conhece bem o show business e faz (fazia) parte do mundo vivido pela beautiful people hollywoodiana.

Como conhecedor das entranhas do mundo das estrelas, coube ao cantor Seal desmascarar a hipocrisia de Oprah Winfrey.

Após fazer um “discurso” “histórico” e “poderoso” (se tivesse soltado um peido teria sido considerado histórico e poderoso. Não duvide das formas de protesto de certas feministas) na premiação do Globo de Ouro, contra os abusos sexuais sofridos e relatados por diversas atrizes, a grande mídia logo tratou de apontar uma suposta candidatura de Oprah Winfrey à Casa Branca. Rápidos como coelhos, logo trataram de parir uma pesquisa que colocavam a celebridade dez pontos à frente de Donald Trump. Eis o ponto de euforia histérica da turma.

Leia também:

O calcanhar de Aquiles de Jair Messias Bolsonaro

Ratinho detona Globo: ‘tem muito viado’

Só não contavam com as declarações do cantor britânico. Disse Seal sobre o caso de assedio sexual e a apresentadora Oprah Winfrey: “Quando faz parte do problema há décadas mas de repente todos acham que é a solução“.

Vejam a foto e a frase que o cantor postou em uma rede social

 

Na primeira, Oprah beija carinhosamente o diretor Harvey Weinstein, acusado de assédio. Em seguida, a apresentadora e o diretor conversam animadamente.

Enfim, coube ao cantor Seal, desmascarar a hipocrisia de bilionária Oprah que nada mais é do que mais uma seguidora cega do politicamente correto, ou seja, detentora de um discursozinho pronto para o grande público, mas que por outro lado, possui um estilo de vida cujas atitudes em nada coadunam com aquilo que tagarela para os pobres incautos que  acreditam nos anjos de Los Angeles.

Por Jakson Miranda

Frio nos EUA é culpa do aquecimento global

É culpa do aquecimento global o intenso frio que parte dos Estados Unidos está enfrentando nesses últimos dias. De forma impressionante, por culpa do aquecimento global, faz-se calor no verão e frio intenso no inverno.

Para disfarçar seu neopanteísmo, alguns bobos, apoiados pela ONU, propalam a ideia de que as mudanças climáticas pela qual passa a Terra desde que é Terra, são consequência negativa da ação do homem.

Leia também:

Veja o que essa professora fez! O próximo pode ser o seu filho.

GREGÓRIO DUVIVIER: O ATEU QUE NÃO CONHECE A BÍBLIA

Assim, se no verão chega-se a altas temperaturas, isso se dá por culpa do aquecimento global. Se no inverno as temperaturas ficam abaixo de zero, não há outro culpado senão o aquecimento global. Essa é a lógica dos “expertinhos”.

Também aqui, temos a lógica marxista de “luta de classes”. Há os bonzinhos e os maus. Há os que defendem o meio ambiente e aqueles que querem destruir. Há os iluminados e aqueles que vivem no obscurantismo. Será que algum ser humano em sã consciência odeia a natureza e age para destruir o meio ambiente? Pela lógica dos defensores do aquecimento global, sim!

Fazendo troça da vergonha alheia, o presidente Donald Trump não deixou passar barato e mandou ver:

No leste, pode ser a noite de fim de ano mais fria registrada. Talvez pudéssemos usar um pouco desse bom velho aquecimento global que o nosso país, não os outros, ia pagar bilhões de dólares para combater. Agasalhem-se!

E não é apenas nos EUA que o frio chegou de forma rigorosa. Também por culpa do aquecimento global, dezenas de voos foram cancelados devido a neve no Reino Unido. Uau!

Provocações à parte, a questão é que não há um consenso se o planeta está passando por um processo de aquecimento ou de esfriamento. Sim, para quem ainda não sabe, há especialistas que defendem a tese de que a terra entrou em uma mini era glacial. Os EUA e o Reino Unido que o digam!

Por Jakson Miranda

 

Ideologia de gênero chega à Igreja Luterana. Rasgaram a Bíblia!

Mesmo com as fortes resistências, a ideologia de gênero segue incansável no seu objetivo de colocar a sociedade de pernas para o ar. Aliás, essa é a lógica de toda revolução, sem, no entanto, ofertar algo melhor!

Leia também:

Seja o seu próprio Lutero

Viagem ao futuro: O aborto, a igreja e o Brasil em 2030

E não é que infame ideologia chegou à igreja? De todas as instituições, é a igreja o “santo graal” dos seguidores de Judith Butler. E na Suécia, eles começam a lograr resultados.

Segundo o jornal inglês The Guardian, o principal líder da igreja na Suécia, o arcebispo Antje Jackelén, (trata-se de uma mulher, ok?). Determinou como norma da igreja, não se referir a Deus como “Ele” ou “Senhor”.

Vejam só: “Teologicamente, por exemplo, sabemos que Deus está além das nossas determinações de gênero, Deus não é humano”, disse Jackelén.

Encerramos

Além de ser de uma imbecilidade sem tamanhos, é acima de tudo uma heresia aberrante. Logicamente que a Igreja Luterana da Suécia rasga a Bíblia tão defendida por Martinho Lutero há exatos 500 anos. Que triste ironia!

Agora, como os luteranos suecos entenderão João 14:6? Ou ainda, Mateus 12:8?

Ao invés de doutrina bíblica, algumas igrejas começam a usar outras doutrinas. A ideologia de gênero é só uma delas. Sendo assim, os detratores do Evangelho batem palmas.

Por Jakson Miranda

Teste nuclear da Coreia do Norte: A culpa é do Obama

De quem é a culpa da Coreia do Norte avançar com seus testes nucleares e ameaçar o mundo com um conflito apocalíptico?  A culpa é do Obama!

Claro que o ex-presidente americano Barack Obama não é o único culpado. China e Rússia também o são.

Vejam o excelente vídeo gravado pelo Nando Moura:

Obama é culpado porque nada fez para impedir que a Coreia do Norte chegasse aonde chegou. Ou seja, Obama é culpado porque seu governo foi falho, pífio, medíocre e condescendente com tudo que era contra os valores americanos.

Leia também:

Donald Trump Vs Mundo

Admita: você só não gosta de Trump para parecer descolado com os amigos da facul

China e Rússia não são incompetentes como o foi Obama e, nesse contexto, ainda não está claro qual o objetivo dos dois países em armar os norte-coreanos. Querem desestabilizar a economia mundial? Querem provocar uma guerra? Quais os riscos calculados e não calculados desse realinhamento? A quem interessa? Só saberemos a verdade quando a poeira radioativa baixar.

Da parte dos EUA, fica o alerta da embaixadora americana nas Nações Unidas, Nikki Haley: “Guerra é algo que os Estados Unidos nunca querem. Nós não queremos. Mas a nossa paciência tem limites”.

Com tanta coisa em jogo, fica difícil saber qual o limite dos EUA e o pior é que, sendo Obama o culpado, colocarão na conta de Donald Trump.

Por Jakson Miranda

Neymar merece cada centavo que recebe

Me esquivei de escrever sobre a venda do Neymar, mas o assunto me perseguiu…

Não produzirei, no entanto, nenhum grande tratado… É mais uma nota de opinião do que um artigo.

Neymar foi jogar no Paris Saint Germain, na maior contratação da história do futebol. As cifras chegam quase ao nível da incalculabilidade. São cerca de 4 reais por segundo, ou coisa parecida.

O que não faltou nestes dias foi gente lamentando o absurdo que é pagar isso para um jogador de futebol e todo aquele blablabla que você conhece… E os cirurgiões? Professores ganhando pouco enquanto ele está milionário? E os policiais? Bombeiro sim que é herói e deveria ganhar isso e etc!

Como se professores ganhassem pouco porque o Neymar ganha muito! Como se houvesse uma quantidade pré-estabelecida de recursos com destinação estanque, de modo que para dar mais para o Neymar eu teria que tirar dos professores ou policiais, ou bombeiros.

Professor ganha pouco sim. A culpa não é do Neymar. Meu apreço pelos policiais é indizível, embora tenha tentado verbalizá-lo um pouco no artigo Honrar e Interceder pela Polícia é um dever de todo cidadão, e creio que deveriam ganhar muito mais, só que isso também não é determinado pelo Neymar.

Não existe uma Taxa Neymar de aumento ou diminuição salarial no Brasil. Os problemas existem antes dele, e permanecerão depois que ele se aposentar, bilionário.

O que essas pessoas fazem é especial? Sim. Muito.

Mas não são únicas… Neymar é único. Você pode gostar ou não. Você poder achar o futebol digno dessa relevância ou não… Mas o fato é que é o esporte mais popular do mundo, e neste contexto, ele é o jogador mais valioso, pelo potencial esperado em relação a idade que possui e o talento que tem.

Aposto que você que critica o Neymar por sair do Barcelona pra ir ganhar um transatlântico de dinheiro a mais também deixaria sua empresa para outra se a mesma proporção de reajuste lhe fosse oferecida.

No Brasil, todo mundo fala como se fosse um faquir abnegado, satanizando quem comete a indignidade de gostar de ganhar dinheiro honesto.

O dono do clube francês é bilionário e quer comprá-lo. O Neymar é um profissional requisitado, cujo mundo totalitário dos progressistas abnegados não cassou ainda o direito de trocar de emprego para ganhar mais.

Guarde sua inveja. Engula seu despeito.

E que cada categoria profissional de grande importância permaneça, no uso dos meios legais, tentando obter maior valorização profissional/salarial.

Só não ache que quanto o Neymar ganha ou deixa de ganhar tem algo a ver com isso.

Por Renan Alves da Cruz 

 

Para muçulmanas na Malásia, despacito é obscena. Enquanto isso no Brasil…

A música despacito é obscena, é o que dizem algumas muçulmanas de um partido político da Malásia. Por conta das reclamações as emissoras estatais do país não tocarão a famosa musica.

Particularmente, trata-se de um tipo sonoro que eu teria dificuldades em qualificá-lo como música. Mas daí a dizer que despacito é obscena? Se formos analisar a letra da música, despacito é sim obscena!

Despacito é obscena na letra e despacito é obscena em seu vídeo clip. E qualquer pessoa com um mínimo de decência fica ruborizada conhecendo o teor da letra e pior, vendo o vídeo.

É obvio que a decisão tomada pelo governo da Malásia pode ser interpretada como censura religiosa e se tal situação tivesse ocorrido aqui no Brasil, estaríamos sob um imenso berreiro repetindo a ladainha de que o “Estado é laico”.

Leia também:

Pancadão da PUC e a cultura da bestialidade

Cultura agoniza no país da crise ética e moral

E por falar no Brasil… Se despacito na Malásia é obscena, aqui a música passa até por inocente ou até mesmo como uma ode latina de imensurável riqueza poética. Isto porque por aqui a coisa já degringolou de vez.

Vejam esse didático vídeo gravado pelo Youtuber Nando Moura.

Pois é. A impressão que temos é que no Brasil a palavra obsceno consta apenas em dicionários. Pode ser que daqui a alguns dias nem mesmo nos Aurélio encontraremos a definição exata para tanta imoralidade.

Por Jakson Miranda

ONU é dominada pela religião islâmica

Não se trata de nenhuma novidade: A ONU é dominada pelos seguidores da religião islâmica! Sempre que a Organização das Nações Unidas votam alguma resolução contra Israel, EUA ou tomam alguma medida que afrontam os princípios cristãos, são na verdade, medidas orquestradas por países que professam a religião islâmica.

É obvio que isso não é bom! Afinal, estamos em uma sociedade que não pode aceitar imposições feitas por este ou aquele grupo e quando isso não é obedecido, abre-se espaço para o totalitarismo e para o esmagamento dos demais grupos, que ocorre mediante mentiras e/ou uma horrível desconsideração do passado.

Leia também:

Radicalismo islâmico: desconhecimento, medo ou complacência?

Intolerância religiosa: a nova praga do politicamente correto

Uma resposta épica à questão da “maioria pacífica” de muçulmanos

No último dia 7, a UNESCO ligada à ONU, jogou o mínimo de escrúpulos que tinha na lata do lixo e provou uma vez mais que o terrorismo praticado por alguns dos seguidores da religião islâmica não se restringe ao ISIS ou Al Qaeda.

O que aconteceu na UNESCO trata-se de um ato tão terrorista quanto às explosões de homens-bomba. Curvando-se a religião islâmica, a UNESCO trata o Estado de Israel como se o povo judeu não tivesse história.

Em outra decisão controversa, aprovada nesta sexta-feira (7), a UNESCO declarou que a Cidade Velha de Hebrom e o Túmulo dos Patriarcas, são Patrimônios Mundiais do Estado da Palestina. Em uma eleição secreta, 12 países votaram a favor da inclusão, três foram contra e seis se abstiveram.

Obviamente, a decisão foi duramente criticada por Israel. Nem mesmo a pressão diplomática exercida pelos EUA teve resultado. Recentemente, a embaixadora americana nas Nações Unidas, Nikki Haley, fez um apelo ao secretário-geral da ONU, António Guterres e à diretora-geral da Unesco, Irina Bokova, para que se opusessem à decisão.

Considerada sagrada para judeus, cristãos e muçulmanos, em Hebron fica a construção conhecida como Túmulo dos Patriarcas, onde segundo a tradição estão sepultados Abraão e Sara, Isaac e Rebeca, Jacó e Lea.

Para as autoridades israelenses, a decisão da UNESCO de classificar a cidade como propriedade “islâmica”, equivale a rasgar a Bíblia, negando os cerca de 4.000 anos de presença judaica na região. Conforme o Livro de Gênesis, ali viveu e foi sepultado Abraão, o pai dos judeus. O próprio termo “hebreu” é uma derivação de Hebrom.

Desde 2011, quando a Palestina foi reconhecida como estado-membro pela Unesco, este é o terceiro Patrimônio Mundial entregue a eles. Os outros foram a Basílica da Natividade e a Terra das Oliveiras e Vinhedos, em Belém. Em maio o Brasil votou junto com os países muçulmanos na resolução da ONU que negava a soberania de Israel sobre Jerusalém.

Encerramos

Falando como cristão e historiador, o fato chega às raias da pura insanidade. Por outro lado, eu estaria sendo igualmente insano se acreditasse que uma nova Cruzada seja a alternativa para barrar o avanço da religião islâmica. Não é!

Por Jakson Miranda

Caracas, Bergoglio, ou, papa Francisco, se lembra da Venezuela em suas orações

Jorge Mario Bergoglio tenta se apresentar como a autoridade maior da igreja católica, sob o título de Papa Francisco. O máximo que consegue é tornar-se a caricatura de um líder cristão.

Como papa, Bergoglio pede uma solução pacifica e democrática para a crise política na Venezuela e afirma que ora pelo fim da violência naquele país aonde já morreram 86 pessoas em protestos contra o governo de Nicolás Maduro.

Autoridades venezuelanas afirmaram que pelo menos quatro pessoas foram mortas e oito ficaram feridas durante protestos contra o governo na região central do país. A procuradora-chefe do país, Luisa Ortega Diaz, informou, no sábado, que as mortes ocorreram um dia antes, em confrontos em Barquisimeto, capital e cidade mais populosa do estado de Lara.

O prefeito Alfredo Ramos atribuiu as mortes a milícias armadas que apoiam o governo da Venezuela. Pelo menos 80 pessoas morreram desde que os protestos contra o governo eclodiram, há três meses.

Milhares de opositores do presidente Nicolás Maduro foram às ruas de Caracas no sábado, em uma marcha para mostrar apoio à procuradora. O governo está ameaçando tirá-la do cargo, embora a Constituição venezuelana diga que isso pode ser feito apenas pela legislatura, que agora é controlada pela oposição.

Ontem, o Papa Francisco pediu o fim das manifestações violentas e expressou solidariedade com as famílias dos mortos. O pontífice conduziu uma oração lembrando que o país vai comemorar aniversário de sua independência na próxima quarta-feira. “Eu direciono minhas orações a esta querida nação e expresso minha solidariedade com as famílias que perderam seus filhos nos protestos. Apelo para o fim da violência e para uma solução pacífica e democrática para a crise”, disse Francisco. 

Voltamos

Não obstante, o cargo papal e o titulo de Francisco, não foram suficientes para suprimir o que Bergoglio verdadeiramente é: um homem dividido entre sua crença em Cristo e a simpatia pelo marxismo.

Lendo atentamente a declaração de Bergoglio, constatamos que o papa se exime de criticar os responsáveis pela crise venezuelana. Ou seja, sua fala em nada se diferencia do que diria um político interessado em manter boas relações com o governo da Venezuela, mesmo que esse governo prenda arbitrariamente seus opositores e mate indiscriminadamente quem vai as ruas protestar.

Bergoglio faria o mesmo caso o governo fosse, hipoteticamente, o do americano Donald Trump?

Por falar em Donald Trump, partiu do seu governo criticas a situação venezuelana mais contundente do que ao bla, bla, bla do papa.

Disse a embaixadora americana Nikki Haley, na ONU:

“Na Venezuela, estamos à margem de uma crise humanitária. Manifestantes pacíficos foram feridos, detidos e inclusive assassinados por seu próprio governo. Os remédios não estão disponíveis, falta material nos hospitais e está cada vez mais difícil encontrar comida”, 

“Pelo bem dos venezuelanos e pela segurança na região, devemos trabalhar juntos para assegurar que o presidente Maduro detenha esta violência e opressão e restaure a democracia”.

Ainda assim, criticamos Trump por ainda não ter aplicado pesadas sansões contra a Venezuela.

Voltando a Bergoglio. Que fique claro, não duvidamos da sinceridade do papa quando este diz que se lembra da situação venezuelana em suas orações. Vejam:

A imagem acima é de outubro de 2016. De lá pra cá, como sabemos, a situação da Venezuela só piorou. E o que a imagem revela? Alguém precisa orar mais.

Por Jakson Miranda

SIGA NOSSAS REDES SOCIAIS!