FUTEBOL FEMININO: JOGADOR TRANS É QUESTÃO DE TEMPO

(Post publicado em 23/06/19)

E o futebol feminino do Brasil está fora da copa do mundo. A seleção brasileira perdeu para a França. Seguiu-se o script.

Mas não é do jogo que irei falar brevemente e sim da presença de jogadores trans no futebol feminino.

A jogadora Marta, eleita tantas outras vezes a melhor do mundo, tem a simpatia e apoia a turma da lacração, inclusive tem uma NAMORADA. Logo, suponho, não será ela a fazer oposição caso surja algum jogador transgênero.

De fato, pelo status e projeção que conquistou no esporte, Marta poderia muito fazer em prol das mulheres, mas, segue o caminho oposto e será mais uma feminazi, daí a apoiar a presença de algum marmanjo autodenominado mulher no futebol feminino não será algo distante.

Leia também:

Marco Feliciano critica Pabllo Vittar: No que se transformou o pastor deputado?

Depois que Tiffany conquistou seu “espaço” no vôlei feminino, após nunca ter se destacado no masculino, casos semelhantes em outras modalidades esportivas ganharam destaque. No atletismo, por exemplo, temos o notório caso de Caster Semenya.

O mais revelador no entanto, aconteceu em uma competição de atletismo estudantil nos EUA. Na competição realizada no estado de Connecticut, os dois primeiros colocados eram atletas trans – homens que se declaram mulheres – e isso geral reação.

 A atleta Selina Soule, da escola Glastonbury High, que ficou em sexto lugar nos 100 metros, foi a única a falar diante da imprensa. Ela diz saber que as novas regras permitem que atletas transgêneros compitam contra pessoas do sexo biológico oposto, mas não concorda. “Biologicamente masculino e feminino são diferentes. A grande maioria está sendo sacrificada pela minoria”, lembrou.

O treinador Gary Moore lamentou que a situação “não era justa para as garotas”, acrescentando que algo deveria ser feito para “nivelar” a competição. Ele foi um dos maiores críticos da permissão dada aos trans e disse que apenas expressou o que a maioria pensa.

“Por que outros treinadores não estão falando nada? Este é um grande problema que muitos têm hoje em dia, acham que precisamos fazer algo, mas não se manifestam? Eu disse o que precisava dizer”.

Por enquanto, ainda não temos registros de homens que se declaram mulher jogando no futebol feminino, não obstante, presumimos que essa situação não persistirá por muito tempo. Diante dessa perspectiva, já imaginamos qual partido a jogadora Marta tomará… Contra as mulheres.

Por Jakson Miranda

SIGAM-NOS PELAS REDES SOCIAIS E ASSINEM NOSSA NEWSLETTER!

Um comentário em “FUTEBOL FEMININO: JOGADOR TRANS É QUESTÃO DE TEMPO”

  1. Ué? Marta é mulher e tem uma namorada mulher, ela, pelo menos por tais razões, não é contra as mulheres, pelo contrário…estranho o raciocínio do artigo, se houver.Mas, vamos refletir.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *