Fernando Haddad: o hipócrita!

É doloroso falar de Fernando Haddad.

Temos leitores por todo o Brasil, e também no exterior, o que muito nos satisfaz, e a todos peço licença para tratar de um assunto “local”: o prefeito de São Paulo.

Mas como Haddad é uma síntese até caricatural do esquerdismo, suas sandices merecem o máximo possível de repercussão.

Quem nos acompanha sabe nossa posição sobre a fixação compulsiva do prefeito por CICLOVIAS;

Sabe de nosso repúdio ao pagamento de BOLSA-TRAVESTI;

Do absurdo que é ter um prefeito que estende seu paternalismo até o campo CULINÁRIO;

De como é ridículo um prefeito de uma megalópole como São Paulo dar AULINHAS esquerdopáticas na USP durante o mandato, apenas para satisfação ególatra;

De como é ofensivo que a prefeitura DESRESPEITE cidadãos através de canais de comunicação oficial.

Haddad não cansa. Agora nos obriga a se arrastar pelas avenidas da cidade em horários perigosos. A redução da velocidade nas marginais foi exaustivamente comentada, mas a ideia do prefeito estendeu-se a diversas outras vias (e deve atingir a cidade inteira).

Tive que levar minha esposa ao hospital numa madrugada a 50km por hora na Av. Aricanduva, onde só havia eu e os radares.

Agora o prefeito quer mudar o nome de ruas da cidade que remetam ao período militar.

Haddad, ele próprio um surto histórico, que por isso mesmo, merece ser lembrado para não ser repetido, quer fraudar e editar a história!

A arrogância desse senhor é estupefaciente!

Tomo de empréstimo as palavras de Reinaldo Azevedo:

O prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), não passa de um demagogo barato — e exerce, ora vejam, o pior tipo de demagogia, que é aquela voltada para as minorias radicalizadas que o aplaudem, pouco importa a causa que abracem. (…)

Haddad é ruim pra fazer creches. Haddad é ruim pra fazer casas próprias. Haddad é ruim pra fazer corredores de ônibus. Haddad é ruim pra fazer ciclofaixas — sim, elas são verdadeiros atentados ao planejamento, ao urbanismo e à segurança de eventuais ciclistas e dos pedestres. (…)

Não podendo oferecer creches, casas ou corredores de ônibus, o prefeito resolveu mudar o nome de logradouros da cidade. Quer banir homenagens a pessoas que colaboraram com a ditadura. O objetivo parece nobre e certamente cairá no gosto das minorias radicalizadas que o aplaudem. Amplos setores da imprensa babarão de satisfação.(…)

O que Haddad quer? Seguir os passos de uma escola na Bahia, que mudou o seu nome de Colégio Estadual Presidente Emílio Garrastazu Médici para Colégio Estadual Carlos Marighella, de sorte que saiu o ditador para entrar, em seu lugar, um assassino?(…)

Haddad é a fraude política mais engomadinha que São Paulo já produziu. É mais uma das heranças malditas de Lula. Mas terá vida política curta. Por seus próprios méritos.

Nós, paulistanos, estamos contando os dias, Haddad, esperando sinceramente que seu sucessor tenha colhões para desfazer imediatamente todas as m… que o senhor fez.

 

Por Renan Alves da Cruz

 

Leia Também:

 

Haddad: o prefeito dos ciclistas, gays e gansos

A bolsa-travesti de Fernando Haddad

Fernando Haddad: dos 50 tons de vermelho das ciclovias às salas de aula

Prefeitura de São Paulo desrespeita cidadãos em sua página no Facebook 

Privatizar o Ensino Superior

Um comentário em “Fernando Haddad: o hipócrita!”

  1. É Paulistas, assim como vcs votaram errado acreditando no boçal do Lula, o Brasil tbm caiu no mesmo erro, o resultado não poderia ser mais desastroso, respeito não existe no dicionário dessa gente que só olha o próprio umbigo.Temos que aprender a votar. Abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *