EXPLICANDO A PARALISAÇÃO DE PROFESSORES E ESTUDANTES

(Publicado em 15/05/2019)

É possível que você não esteja entendendo bem a paralisação nacional da educação. Ou talvez, por considerar o ensino algo tão nobre, e é, pode ser que muitos sejam simpáticos à queixa de professores e estudantes.

Afinal, todo sacrifício pode ser feito para equilibrar as contas do governo, mas, não é possível sacrificar a educação.

Leia também:

O método Paulo Freire é uma balbúrdia

Bem, vamos explicar didaticamente o que está em jogo.

É isso! Uma grande parte dos ditos “estudantes” que irão as ruas hoje “protestar” não passam de marmanjos que não têm vergonha de ainda serem sustentados pelos pais, pior, está há anos cursando a mesma graduação. (Estudante que cursava história há 15 anos é desligada da Universidade Federal do AP)

Vergonhoso!

Todavia, o que mais pode ser lastimável é a adesão de muitos professores. Alguns estão sendo apenas massa de manobra. Estarão na Paralisação de hoje movidos apenas pelo “oba, oba”.

Não é demais concluir hipoteticamente, que pai e mãe da imagem acima, sejam ambos, professores.

Por Jakson Miranda

7 comentários em “EXPLICANDO A PARALISAÇÃO DE PROFESSORES E ESTUDANTES”

  1. A ignorância é mais viável, e a falta de informação é por pura preguiça. Por incrível que pareça, ainda há pessoas que acreditam num tipo de “jornal falado”, ou “telefone sem fio”, onde a desinformação é passada de uma boca para outra por pura falta de interesse no assunto, seguindo a ondinha do “oba oba”, palhaçada

  2. Os meus professores instigaram a turma para protestar na rua. Mas eu saí fora e fui pra casa. Disse q tava passando mal. Então me deixaram em paz… Escapei da tortura junto com alguns colegas!!!

  3. Incitar uma parte do povo a derrubar o congresso pode ensejar a responsabilização do Presidente por crime de responsabilidade contra a ordem democrática. LEMBRE o Congresso também foi eleito pelo povo e Bolsonaro não teve 35% dos votos entre 150 milhões de eleitores. Não queremos ter um Chavez brasileiro. A manifestação contra o corte na educação foi e é legitima. Fizeram isso no governo Dilma que recuou. Bolsonaro tem que recuar e saber que cortar verbas essenciais é balburdia da parte dele. Reflitam e não sejam massa de manobra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *