Existe extrema-direita, mas inexiste extrema-esquerda

No ambiente interno, não existe maior populista do que Jair Bolsonaro, que evidentemente, é um porta-voz dessa extrema-direita abjeta

Ultimamente tem se tornado uma constante falar de extremismos e nesse contexto, o termo extrema-direita tem sido um prato cheio na mesa dos comentaristas políticos.

O atual presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi um dos alvos preferenciais. A Trump somou-se um adjetivo ainda pior: populista. Sim, para a turma da Globo News e CNN, Trump é um populista da extrema-direita.

Logo, para a grande massa, e esse é o público alvo das grandes mídias, existe uma extrema-direita má, que deve ser rejeitada, odiada, descartada e ignorada.

No plano internacional, Donald Trump não é o único populista da extrema-direita. A francesa Marine Le Pen também faz parte da mesma legenda, assim como os apoiadores ingleses do brexit.

Leia também:

O que é a extrema direita light?

MBL e Veja decidem caçar a extrema direita

No ambiente interno, não existe maior populista do que Jair Bolsonaro, que evidentemente, é um porta-voz dessa extrema-direita abjeta.

Jair Bolsonaro segue os passos de tantos outros populistas. De tantos outros políticos que no passado também empunharam a defesa da extrema-direita. Enéas Carneiro, antes de Bolsonaro, foi o nome mais conhecido e o mais folclórico. Não a toa, Enéas é um dos heróis de Bolsonaro. Foi o que se descobriu em uma matéria publicada pela BBC Brasil, repercutida pelo jornal Folha de São Paulo.

Logo no inicio da matéria mencionada acima, cujo titulo não abre espaço para dúvidas – O retorno de Enéas, ícone da extrema-direita e ‘herói’ de Bolsonaro é possível sentir o grau dessa extrema-direita brasileira. Leiam:

Visto como autoritário e truculento por muitos, um político se lança à Presidência prometendo restabelecer a ordem no Brasil. Aos berros, acusa PT e PSDB de serem faces da mesma moeda, defende os valores da família tradicional brasileira e questiona os interesses internacionais por trás da demarcação de reservas na Amazônia.

É algo realmente amedrontador! Não é possível que PSDB e PT sejam faces de uma mesma moeda! Não é possível que alguém em sã consciência defenda os valores da família tradicional! Isso só pode ser coisa de extremistas!!

Ok, ok, ok. É possível que o leitor dessas matérias esteja genuinamente convencido de que Enéas e Bolsonaro de fato sejam ícones dessa maldita extrema-direita. Ele não votará em Bolsonaro por conta disso e espera que até 2018, alguém da direita apareça. Caso esse nome não apareça, restará a esse leitor/eleitor, convencido pela grande mídia, votar em alguém identificado com a “centro-direita”.

Por outro lado, movido por uma intensa curiosidade, alguém pode querer saber quem é o nome da Extrema-esquerda. Boulos? Freixo? Luciana Genro? Marina Silva? Quem é o grande ícone da extrema-esquerda comunista?

Mas que coisa! Será que ninguém ensinou a você que o comunismo acabou com o fim da União Soviética? O que temos hoje é uma esquerda democrática, defensora das minorias, defensora de um país mais igualitário e justo!

Estamos vivendo um período de pura esquizofrenia. Mentiras são tomadas por verdades absolutas ao passo em que a Verdade é relativizada. Vivemos uma realidade que foi totalmente deformada e desvirtuada. Enquanto não abrirmos mão das politicagens e focarmos na mudança de mentalidade política, continuaremos reféns desses velhacos ilusionistas.

Por Jakson Miranda

Um comentário em “Existe extrema-direita, mas inexiste extrema-esquerda”

  1. Vamos falar de populista mil em todos os quadrantes do mundo. Será que Maduro, Evo, Ortega, Fidel e o nosso inocentíssimo Lula se encaixam? Esqueceram que quem governou o País estava nessa companhia? Parece que o autor desse texto tem medo da frigideira mas se esqueceu do fogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *