Está consumado!

Publico este em 3 de Abril de 2015, feriado de Sexta Feira da Paixão, data de importância cabal para o cristianismo.

Tal qual a Páscoa, o feriado da Sexta Feira Santa é rotativo, sendo, especialmente neste ano, comemorado na data exata que a tradição considera ter ocorrido a crucificação de Jesus Cristo: 3 de Abril.

Talvez por ser historiador, cristão, e ter motivos pessoais para tratar tal data com ênfase especial, me sinto tocado pela profundidade representativa do dia de hoje.

Há quase dois mil anos atrás, numa sexta feira, num 3 de Abril, que mesmo nomenclaturado de modo diferente, era a mesma data, ocorreu a sequência de eventos mais impactante da história da humanidade! Compreendo que não-cristãos podem não compartilhar de todo meu entusiasmo, todavia, é indiscutível o volume histórico que o acontecimento carrega.

Os eventos daquele 3 de Abril, que rememoramos hoje, moldaram o porvir. Homens morreram por defenderem o que aconteceu naquele dia. Ainda hoje, há gente sendo assassinada no mundo por negar-se a dizer que a crucificação e posterior ressurreição de um carpinteiro nazareno não é verdadeira.

Mas o cristianismo continua. A despeito dos esforços por sua desconstrução.

Naquele 3 de Abril, colocaram Nele uma coroa com espinhos, para zombar de sua condição. Esfolaram Sua pele com o látego. O desprezaram e machucaram.

Ele não desceu daquela cruz. Podia ter descido, mas não desceu. Foi desafiado a descer e não desceu.

Por nós.

Feliz Sexta Feira da Paixão a todos. Feliz Páscoa.

O domingo se avizinha.

Por Renan Alves da Cruz

Leia também: 

 A Dupla face imoral da esquerda

O silêncio e a Trapaça

O Impeachment e a Bíblia

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *