Em 2018, Rodrigo Maia será o candidato da politicagem

O deputado federal Rodrigo Maia, do DEM, hoje, não apenas preside a Câmara dos Deputados. É o homem que no meio político, dá sustentação ao governo de Michel Temer. Exatamente por isso, o parlamentar que para alguns é conhecido como Botafogo, ganha cada vez mais força.

Sua ascensão é tanta que há alguns dias Rodrigo Maia conseguiu emplacar para o Ministério das Cidades um quadro que em muito irá melhorar a qualidade de vida da sociedade brasileira: Alexandre Baldy.

Para o grande público, Baldy pode passar despercebido ou ao menos, ser visto como uma figurinha nova que de tanta competência, é galgado ao posto de ministro. Pois bem, não é bem assim. Apesar de ser jovem, Alexandre Baldy já foi apontado como aliado de Carlinhos Cachoeira.  Esse é o homem que Maia indicou para ministro.

Leia também:

Por que raios Bolsonaro não encabeça a criação de um partido de direita?

Para datafolha Lula lidera, mas quem cresce é Bolsonaro

Assim, Maia vai influindo no governo Temer e embora de forma discreta, vai pavimentando seu nome para candidato a presidente em 2018. Sua estratégia, ou ao menos seu nome, segundo a revista Isto É, tem o apoio de Michel Temer.

Nos encontros com políticos e jornalistas, Michel Temer não cansa de repetir que considera essencial a entrada na corrida sucessória de um candidato que represente o legado de seu governo. Até agora, não fala de nomes. Mas em Brasília, começam a surgir comentários sobre as chances de o deputado Rodrigo Maia desempenhar o papel previsto pelo presidente”.

Faz sentido. Rodrigo Maia facilita a governabilidade do mandato de Temer e este, garante-lhe o apoio do PMDB. No Rio, Maia já tem nome para lhe apoiar, seu pai, César Maia. Que tanto pode sair candidato a governador como para senador.

Como veem, as peças se encaixam perfeitamente. Para o DEM é uma perspectiva de volta gloriosa ao poder. Para o PMDB, na ausência de um nome mais palatável, poder indicar o vice e manter-se no poder, é o melhor dos mundos.

Não devemos nos enganar. Em 2018, o PMDB e Cia virão para cima, eles tem a máquina a seu favor e usarão isso, tal qual fez o PT. Talvez esteja aí, o grande desafio de Bolsonaro.

Trocando em miúdos. O nome de Luciano Huck não passa de um balão de ensaio. O que está mesmo em articulação, é a candidatura de Rodrigo Maia. Será ele o nome do “centro”, contra a sandice de um retorno de Lula e contra a “extrema” direita de Bolsonaro.

Não, não. Rodrigo Maia, caso se confirme o prognóstico, não será o candidato do “centro”. Será o candidato da politicagem. Será o candidato do mais do mesmo. Será o candidato do “tem que manter isso aí, viu”?

Alexandre Baldy é a carta de boas vindas que Maia manda aos brasileiros. Não concorda? Deixe sua opinião:

Por Jakson Miranda

Related Post

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *