Downton Abbey é o melhor programa da televisão atual!

Com o término da merecidamente platinada Breaking Bad, um dos melhores seriados de televisão de todos os tempos, reputo à produção inglesa Downton Abbey a condição de melhor programa em exibição atualmente.

Contando que vivemos sim uma Era de Ouro da tv, incluindo o Netflix, que nos deu a indefectível House of Cards, o feito de Downton se torna ainda mais digno de menção.

Acompanhando a saga de uma família da aristocracia inglesa do começo do Século XX, o seriado, notoriamente bem produzido e interpretado, ingressa nos meandros de Downton, a mansão que abriga a nobre família Crawley e seus empregados.

Os impactos de acontecimentos icônicos, como o naufrágio do inafundável Titanic e os efeitos da Primeira Guerra Mundial sobre todos, de senhores a servos, fornecem o entorno aos conflitos do dia a dia.

Minha admiração à Downton é, principalmente, por sua recusa em se refugiar nos estereótipos contemporâneos, tão em voga no politicamente-corretês falado hoje em dia.

Não se trata de um embate entre ricos e pobres, num fla-flu paradigmático de “nós” contra “eles”. A nobreza de caráter, bem como a falência de princípios, não é mediada pela condição social ou financeira. Não temos a mesquinha desarmonia entre os aristocratas e seus criados, nem a supremacia do bem destes em relação àqueles.

Os ricos não são maus por serem ricos, nem os pobres bons por serem pobres. Nem o contrário. Downton Abbey reforça a ideia legítima de que, há “nobreza na nobreza”, bem como pode haver ausência de caráter, como em pessoas de qualquer classe social. O bom coração de Lorde Crawley é sua marca mais notória, valor que transmite à família, gerando lealdade inegociável de seus criados.

No núcleo “proletário”, ocorre o mesmo. Há a ética inabalável do mordomo Carson, muitas vezes mais aristocrático que seus patrões, e o questionável caráter de Thomas Barrow, o lacaio arrogante e manipulador.

A classe social não é o modelo de formação de oprimidos e opressores.

A riqueza não monstrifica, nem a pobreza santifica.

Downton é exibida pela Gnt no Brasil. Também está disponível no Netflix.

Vale o investimento de tempo. Garanto.

 

Por Renan Alves da Cruz

 

Leia também: 

É dona Dilma… Em terra de saci, todo chute é voadora!

Dilma Rousseff, de 67 anos, diz que a corrupção no Brasil é uma “senhora idosa”. Não duvido

Fernando Haddad: dos 50 tons de vermelho das ciclovias às salas de aula

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *