DECRETO SOBRE USO DE ARMAS: Você é contra?

(Publicado em 11/05/2019)

Câmara e senado apresentaram pareceres contrários ao novo decreto sobre uso de armas de fogo assinado pelo presidente Jair Bolsonaro.

Mais alguém aí percebeu o malabarismo retórico do documento acima?

Em nosso artigo Diga não ao Estatuto do desarmamento já abordávamos um ponto crucial do debate:

Eu ou você que porventura desejarmos ter uma arma em casa como medida de precaução teremos que comprovar a um burocrata qualquer a EFETIVA NECESSIDADE para possuirmos uma arma.

A conclusão é obvia caros leitores. Pela longeva manutenção desse subjetivo dispositivo, as mais de 60 mil mortes ao ano não constitui EFETIVA NECESSIDADE.

E mais,

Ademais, se cada um é responsável pelo seu sustento e de sua família. Se cada um de nós é responsável pela manutenção dos bens que adquirimos, com os altos riscos de perca, por que, então, devemos delegar a terceiros a proteção de nossas vidas, da vida de nossos familiares e a proteção de nossos bens? Fica clara a falta de lógica!

Enfim, causa verdadeira repulsa assistirmos certos “especialistas” sentirem “medo” da nova medida. Imaginam um verdadeiro bang-bang de vizinho contra vizinho.

Espalham o falso temor histérico de que estaremos vivendo um faroeste caso um trabalhador reaja a um assalto e atire no bandido ou mesmo uma mulher reagir a uma tentativa de estupro.

E aí, você é CONTRA ou a FAVOR o decreto sobre uso de armas? Comente e deixe sua opinião.

Por Jakson Miranda

SIGAM-NOS PELAS REDES SOCIAIS E ASSINEM NOSSA NEWSLETTER!

2 comentários em “DECRETO SOBRE USO DE ARMAS: Você é contra?”

  1. O decreto de Bolsonaro está eivado de vícios formais, desculpe, mas se ele tentou “empurrar” tais mudanças agiu de forma errada, e de maneira boba, apenas fazendo o Estado perder tempo e criando uma falsa expectativa. Extrapolou vários pontos legais e feriu formalmente a Constituição, neste sentido, ele praticou o que melhor sabe fazer: “ESTELIONATO” eleitoral e popular” Desculpe, não podemos passar pano pra burrice.

  2. A questão é simples, o Bolsonaro deveria ter mandado um projeto de lei, então ele fez um decreto, hierarquia mais baixa, versando em matérias de competência da lei, neste caso, agiu como um autoritário, sem adentrar no mérito, tiro no pé deste governo que apenas demonstrou que não quer mudar a lei, apenas, quis dar uma de “bonzinho”. Triste verificar despreparo das pessoas que ainda acreditam e não percebem que Bolsonaro diz uma coisa e faz outra o tempo todo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *