Damares Alves e o preconceito da extrema imprensa

(Artigo publicado em 15/01/19)

Quero mais uma vez falar sobre a falsa polêmica criada em torno da fala da ministra Damares Alves. Como já foi provada a vergonhosa hipocrisia dos artistas lacradores, resta claro que o que se viu na extrema imprensa foi na verdade puro preconceito pelo fato de Damares ser evangélica. Para a turma, cristãos não podem opinar!

Neste último domingo, o Fantástico dedicou uma matéria sobre a ministra polêmica. E quais seriam as polêmicas da ministra Damares Alves? Poderíamos responder com sinceridade de coração que desconhecemos qualquer polêmica envolvendo a ministra Damares e com igual sinceridade, afirmarmos que na realidade estamos diante de uma imprensa e de pseudointelectuais cada vez mais assustados e incomodados com a crescente perda de monopólio da narrativa.

Até há pouco tempo, eram as grandes mídias e seus satélites (leia-se universidades) que impunham suas “verdades”, que logo se tornavam dogmas intocáveis e inquestionáveis. As “polêmicas” envolvendo a ministra Damares Alves mexem com alguns desses dogmas.

Logo após sua indicação, repercutiu um vídeo em que a futura ministra, afirmava que tinha visto Jesus em um pé de goiabeira. Ninguém se importou com o contexto da fala e resolveram tratar a questão em tom de deboche e escárnio!

Fosse algum maconheiro “deslocado” que tivesse afirmado ter visto um OVNI ou qualquer outra babaquice alucinógena, teria ganhado loas de 99,99% daqueles que trataram com escárnio o caso da ministra.

Sim. Isto tem um nome. Preconceito! Estamos falando de um escancarado caso de preconceito contra alguém que se declara cristão, mas especificamente cristão evangélico. Na esteira disso, Damares Alves foi de encontro a duas questões fundamentais que sustentam o discurso “progressista”.

Primeiro, a ideia de que política e religião não se misturam. De fato, o Brasil é um país laico e isso significa APENAS que o Estado brasileiro reconhece e respeita todas as religiões. Em outras palavras, não há impeditivos legais para que igrejas ou qualquer outra instituição religiosa e seus membros, proponham políticas publicas baseadas em suas crenças religiosas.

Antes de prosseguir, vejam esse vídeo:

Entenderam?

Destaco a fala brucutu da jornalista Vera Magalhães. Quanta ignorância! Quanto preconceito! Quanto rancor disfarçado de opinião! É disso que estamos falando.

É impossível alguém professar uma crença e deixá-la em casa quando for ao debate publico/político.

É impossível alguém professar de alma e coração uma crença e deixá-la em casa para tomar esta ou aquela decisão.

E as decisões da ministra Damares, que envolvam aborto, crianças, mulher, família, etc, etc, serão tomadas tendo como ponto de partida sua crença religiosa. E não seria diferente se ela fosse da umbanda, do budismo, do islamismo ou ateia.

A segunda questão fundamental que Damares Alves questionou (não na condição de ministra) foi a “sacrossanta” Teoria da Evolução. Nessa, até o ministro Marcos Pontes deu piti. (Calma ministro!).

Não vamos alongar em demasia esse texto. Trataremos sobre o darwinismo em outra ocasião. Mas, recomendo esse meu post e lembro que a Teoria de Darwin é mais furada que queijo suíço.

Por Jakson Miranda

Siga o Voltemos à Direita nas redes sociais e assine a newsletter para receber todos os nossos artigos.

Related Post

Comments

comments

3 comentários em “Damares Alves e o preconceito da extrema imprensa”

  1. Teoria de Darwin é mais furada que queijo suíço.
    Tento achar uma publicação não extremista e mais coerente . Entre esta “Voltemos à Direita” e a “Brasil 247”, que é de esquerda, por enquanto fico com nenhuma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *