Caça a petistas?

Leiam essa reportagem da Folha. Comentamos na seqüência.

O secretário municipal Alexandre Padilha reagiu, nas redes sociais, ao constrangimento por que passou num restaurantes da capital paulista. No texto, intitulado de “Inaceitáveis instantes de intolerância”, Padilha diz que fica mais orgulhoso do Mais Médicos toda vez que o programa é alvo de ódio dos que nunca passaram dificuldades.

No sábado (9), enfrentou manifestantes ao chegar ao casamento do cardiologista Roberto Kalil. Enquanto os outros convidados se esquivavam, Padilha saltou do carro e caminhou em meio ao grupo que batia panela às portas da cerimônia.

Leiam agora o que escreveu o próprio Alexandre Padilha em sua página no Facebook:

Tudo ocorria normalmente quando de súbito um senhor que já se retirava começou a fazer um discurso, sendo filmado em vídeo pelo seu colega de mesa. Embora tenha buscado chamar a atenção do salão, talvez imaginando que seria solenemente aplaudido, foi absolutamente ignorado pelas dezenas de pessoas durante o seu ato de agressão. Apenas seu colega de mesa o aplaudiu. Após sua retirada, os garçons, as pessoas de outras mesas e o proprietário do estabelecimento prestaram solidariedade a mim. Meus amigos, que divergem das minhas posições políticas, ficaram indignados e certamente terão posições de maior rechaço a qualquer postura de intolerância, falta de educação e agressividade que alguns oposicionistas do Mais Médicos ainda alimentam pelo país. Paradoxalmente, episódios como esse são capazes de despertar cada vez mais as pessoas para que a democracia possa conviver com a diversidade e a diferença.

Voltamos:

Segue abaixo vídeo que circula na internet.

Será mesmo que estamos diante de casos de intolerância, conforme diz Padilha? Será que os petistas estão sendo vitimas de hordas de intolerantes?

Vejamos:

O que é intolerância? Segundo consta, intolerância é o ato de não respeitar ou não reconhecer as opiniões e crenças do outro. Vejam o vídeo mais uma vez. Tem ali algum indicio de intolerância? Não, não tem. O que se tem é pura e simplesmente uma critica irônica ao Programa Mais Médicos, implantado por Alexandre Padilha quando ministro da saúde.

É bom destacar, que tal programa foi veiculado no horário eleitoral tanto do candidato Padilha a governo do Estado de São Paulo, quanto pela então candidata a reeleição Dilma Rousseff.

Em resposta, o ex-ministro Alexandre Padilha ainda reclama dos seus direitos individuais. Oras, seus direitos individuais, prezado ex-ministro, não foram desrespeitados. O senhor não foi agredido, o senhor foi criticado pelo que fez enquanto FIGURA PÚBLICA.

Será que sua reclamação também teria sido externada a alguém que o tivesse verdadeiramente elogiado? Acredito que não!

Enquanto figura pública, o senhor Alexandre Padilha deve saber que está sujeito a esse tipo de critica, o oposto também é verdadeiro.

Na sua resposta o ex-ministro ainda faz a seguinte observação: Toda vez que uma pessoa que nitidamente nunca passou pela dificuldade de não ter médico no seu bairro, comunidade ou família faz um gesto de ódio ao Mais Médicos, fico mais orgulhoso do programa que criei e implantei 

Quem está agindo contra aqueles que mais precisam dos serviços públicos de saúde? Quem critica o Mais Médicos ou o ex-ministro e seus apoiadores? Mais uma vez, não! O vídeo não representa uma critica da “elite” contra melhorias na saúde oferecida aos mais pobres. A critica reside justamente no fato concreto de que o Mais Médicos não trouxe nenhuma melhoria que justifique sua implantação e, sobretudo seus custos.

Em um dos posts que publicamos essa semana, que tem por titulo Saúde Made in PT, registramos duas reportagens que mostram a falta de avanços na saúde publica e na ocasião, lembramos exatamente do Programa Mais Médicos. Lembramos exatamente quem são os responsáveis diretos em propor melhorias ao serviço. Nesse particular, Alexandre Padilha deve sim ser cobrado. De forma pública e notória? Melhor ainda!

Os petistas não aprenderam a serem cobrados. Ainda se agarram a imagem de propaganda que criaram nos anos 90, quando se apresentavam como os paladinos da ética, da honestidade e do quão preocupados eram com a população. Não se deram conta que aquela propaganda está sendo desmascarada e diante de qualquer proposta de governo que cheire a mera propaganda e politicagem, serão duramente cobrados.

Não estamos diante de uma caça a petistas. Estamos diante de uma população que não tem mais medo do PT.

Por Jakson Miranda

Leia Também:

Fachin, o Tinder e a “pensão para amantes”

Quem patrocina a imoralidade? O funk e o sagrado

Contra o Aborto

Coloque sua visão direitista à prova

Downton Abbey é o melhor programa da televisão atual!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *