As repetidas demonstrações da natureza antidemocrática do PT: parte 4

Por Alexandre B. Cunha, publicado no portal O Direitista: 

Este é o quarto de uma série de seis textos nos quais são discutidas algumas das recentes demonstrações da natureza antidemocrática do PT. Analisa-se abaixo como o comportamento dos seus militantes durante o desenrolar dos episódios que culminaram no impeachment de Dilma Rousseff evidenciou, mais uma vez, o desapreço daquela organização pela democracia.

Os petistas afirmaram repetidamente que o afastamento de Dilma era um golpe de estado. Todavia, o impeachment do presidente da República está previsto na Constituição Federal e em outras normas legais do país. Adicionalmente, a Sra. Dilma Rousseff teve amplo direito de defesa e a tramitação do pedido de impeachment na Câmara e no Senado foi regulada pelo STF. Vale lembrar que na época oito dos onze integrantes daquela corte haviam sido indicados por Lula e Dilma. Como não existe golpe de estado sem que uma norma legal seja violada, a alegação dos militantes socialistas é tão verdadeira quanto uma nota de três reais.

Ao afirmarem que o impeachment era um golpe, os petistas tentaram deslegitimar um instrumento integrante do ordenamento político e jurídico da nossa República. Sejamos claros: isto se constitui em um ataque frontal à democracia. Essa postura se torna ainda mais condenável quando se leva em conta que o PT apoiou diversos pedidos de impeachment dos presidentes Fernando Collor, Itamar Franco e Fernando Henrique Cardoso (link 1 e link 2).

Leia também: 

As repetidas demonstrações da natureza antidemocrática do PT: parte 1

As repetidas demonstrações da natureza antidemocrática do PT: parte 2

Evidentemente, o PT não poderia se contentar em exibir tão somente o reprovável comportamento descrito acima. O partido precisava ser ainda mais antidemocrático… Em pelo menos duas ocasiões os petistas sugeriram que estavam dispostos a utilizar a violência contra os brasileiros que defendiam o afastamento de Dilma Rousseff. A primeira delas ocorreu no dia 24 de fevereiro de 2015, quando Lula afirmou que João Pedro Stedile (presidente do MST) iria colocar o “exército dele do nosso lado” para “brigar” com os manifestantes favoráveis ao impeachment. A fala em questão é reproduzida no vídeo abaixo.

A segunda ocasião se verificou no dia 13 de agosto de 2016. Naquela data, diversos militantes socialistas se reuniram no Palácio Planalto para participar de um evento denominado “Diálogo com Movimentos Sociais”, o qual tinha como objetivo demonstrar que eles eram contrários ao impeachment de Dilma. Ao manifestar o seu apoio àquela que arquitetou uma das maiores crises econômicas já enfrentadas pelo Brasil, o Sr. Vagner Freitas (presidente da CUT) declarou que os petistas deveriam “ir pras ruas, entrincheirados com arma na mão, se tentarem derrubar a presidenta Dilma Rousseff” e que “nós seremos o exército que vai enfrentar essa burguesia na rua”. Segue-se um vídeo com o ‘pacífico’ pronunciamento.

Em síntese, o PT usou e abusou do direito de apresentar e apoiar pedidos de impeachment de presidentes que não pertenciam ao partido. Apesar disso, os petistas foram, e ainda são, suficientemente despudorados para afirmar que o afastamento de Dilma foi um golpe. Adicionalmente, eles ameaçaram utilizar armas e exércitos contra os brasileiros honestos que se manifestavam pacificamente pelo legal afastamento de uma presidente incompetente e despreparada. Somente uma organização antidemocrática é capaz de se comportar dessa forma.

 

Por Alexandre B. Cunha, publicado no portal O Direitista: 

 

Related Post

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *