“Aluno Inteligente” de Stephen King e a atração doentia pelo nazismo (II)

Pois bem. Cá estamos novamente!

Este artigo foi iniciado com uma introdução necessária sobre o interesse dos estudantes de história pelo nazismo e com um pouquinho do universo Stephen King no cinema. Hoje, como prometido, vestirei meu elmo enferrujado de resenhista para falar especificamente da história “Aluno Inteligente”.

Se você não leu a introdução, clique AQUI e fique alinhado ao conteúdo completo desta análise.

Vamos lá!

Todd Bowden é um Golden boy. O menino que os outros querem ser. O sonho de metade das garotas da escola. Louro, alto, bonito. Boas notas, educado, família de bom poder aquisitivo, esportista laureado, etc, etc, etc.

Desde o princípio, os predicados de Todd são enfatizados, e a contraposição deles à sua real natureza são um dos pontos mais altos do livro. Todd é um psicopata em construção. Seu interesse pelo lado pérfido do nazismo ultrapassou a fronteira da curiosidade natural e mergulhou na fixação doentia. O garoto é fascinado pelos campos de concentração.

O interesse é tamanho e realizado com tanta acuidade que Todd estuda a vida dos principais nazistas responsáveis pelo andamento das coisas, não apenas gente como Hitler, Goebbels e Mengele, mas também o segundo escalão. Em seu vício, passa a conhecê-los, respirá-los, cheirá-los como a uma carreira de pó.

Estamos nos idos da década de 70. Os israelenses estão com sangue nos olhos caçando nazistas fugitivos. O Mossad está na espreita, à procura de qualquer informação que remeta a um alta patente foragido.

Todd Bowden sabe disso tudo quando pega um ônibus com um velho e, encarando-o, acessa seu vasto arquivo memorioso e a informação vem pelando:

É Kurt Dussander, o carrasco responsável pelo campo de Patin.

Todd não pestaneja. Segue o velho e se cerca de todas as certezas e proteções possíveis antes de abordá-lo.

O velho nega. Diz que é Arthur Denker. Todd diz que ele é Dussander. “Não sou”, retruca, “sou Arthur Denker”.

Dussander – Denker – Dussander – Denker – Dussander – Denker – Dussander – Denker.

Quando o velho finalmente cede, forçado pelo menino à confissão, recebe o seguinte ultimato em troca de silêncio: o menino quer saber TUDO o que aconteceu nos campos. Quer detalhes. Quer saber como gritavam, como cheiravam, como morriam…

A partir daí as vidas de Dussander e Todd se ligam de maneira indesenlaçável. A atração pelo mal passa a alimentá-los num parasitismo infernal, onde ambos são vítimas e carrascos um do outro. Cada qual com sua chantagem – Dussander teme ser entregue, Todd teme ter sua anormalidade descoberta – mergulham nos abismos mais pútridos da existência humana, alimentando o monstro insaciável que cultivam dentro de si.

Como pano de fundo, é importante notar a tapadice dos pais de Todd, que mimam e idolatram o garoto, no melhor estilo “meu filho único que tem tudo”, querendo ser amigões do moleque ao invés de exercer com austeridade o papel que lhes cabe. É possível perceber neles um traço paternal muito presente em fins do século XX e começo do XXI, cada vez mais endossado pelas mídias sociais, que é o filho tornado adorno de pais infantilizados.

Numa jogada repleta de significância, Dussander nunca chama Todd pelo nome. Algo que o garoto nunca consegue aceitar. Mas Dussander despersonaliza pessoas desde o campo de concentração, não será Todd que o mudará. É algo descontrolado, que nenhum dos dois domina. Todd não consegue domar Dussander como planejara e percebe enfim que ao encontrá-lo selou também seu próprio destino.

O nazismo precisa ser estudado, repetido, devassado, tal qual o comunismo, seu coirmão genocida, que hoje ainda é permitido mundo afora, e protagoniza cenas de totalitarismo nos locais em que rasteja. Sou contra, inclusive, à proibição do Mein Kampf, o livro de Hitler, que nosso Estado tutelador proibiu de circular. Ideias não se combatem na ignorância do seu conteúdo, mas no conhecimento das suas fraquezas.

As barbáries precisam ser ensinadas, para não serem repetidas.

Entretanto, repudio o culto à memorabilia nazista, que permanece uma febre, pois não consigo desligá-lo da aprovação do ideário. O comércio desse tipo de material alimenta e é fomentado por saudosistas do nazismo.

Há muita ficção escrita com o nazismo sob pano de fundo. O marketing da curiosidade permanece inabalável. E não diminuirá, a não ser que a humanidade perpetre algo pior num curto espaço de tempo. De outro modo, o centenário da ascensão de Hitler dará novo fôlego ao que foi realizado pelos arquitetos do III Reich. Aparecerão bons, razoáveis e péssimos livros que abordam a questão, entretanto, poucos conseguirão tocar nas especificidades conseguidas por King.

Muita gente se pergunta onde estava Deus quando estas coisas aconteceram. Onde Ele estava quando Hitler inflamou a Alemanha com seu discurso? Onde estava quando os judeus foram levados aos campos? Onde estava quando a barbárie descaiu sobre o mundo civilizado?

Você pode ter se feito estas perguntas. Pode ter achado as respostas. Pode ter desistido de entender. Pode ter desistido de Deus.

Stephen King é somente um ficcionista, mas fornece um belo contributo a estes questionamentos através do personagem de Morris Heisel, que surge bem no fim da história, trazendo a concepção de que os desígnios divinos, embora não entendidos, no fim são perfeitos.

Numa escala de 0 a 10, “Aluno Inteligente” é nota 11.

Uma história perturbadora, para quem quer entender o nível de depravação moral da natureza humana.

Por Renan Alves da Cruz

 

 

 

 

 

Related Post

Comments

comments

Um comentário em ““Aluno Inteligente” de Stephen King e a atração doentia pelo nazismo (II)”

  1. Vou ser direto: o que atrai as mentes ao nacional-socialismo é o espantalho criado pela propaganda Aliada/bolchevique/sionista do pós-guerra, que retrata o III Reich como caras poderosos que “tocavam o terror”.

    Se mostrassem tão somente a verdade seria muito melhor, pois os erros dos nazistas que os levaram à derrota seriam evidenciados e não atraíram admiradores. Se muitos desses incautos que se dizem fãs de Hitler soubessem que ele propositalmente não difundiu o uso de armas automáticas portáteis pela Infantaria – o poder de fogo, na visão atrasada dele que remonta a 1ª Guerra Mundial, deveria ser provido pelos fuzis-metralhadora – cairia a ficha de muita gente.

    Ou mostrar que a Waffen-SS não era respeitada pelas Forças Armadas alemãs por conta de seu desempenho “comum” em campo de batalha mesmo tendo armas melhores que o Exército, desempenho esse em grande parte causado pela baixa escolaridade do oficialato da SS, que priorizava desempenho físico em vez do intelectual. Apenas em meados de 1943, já crescidos em experiência, se tornaram respeitados e temidos no campo de batalha.

    O problema é que a 2ª Guerra Mundial tem muitos tabus e a lenda negra sobre os alemães serve para fazer sombra aos crimes dos Aliados, principalmente os soviéticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *