A paranoia da esquerda tapada

A disposição da esquerda de ofender a lógica é infatigável.

Vejam o nível de paranoia e cretinismo desta carta que um leitor enviou para a revista Carta Capital e que a revista teve a pachorra de PUBLICAR:

(…)

“Em um mês de mandato como prefeito da maior cidade do País, João Doria Jr. incorpora a palavra inglesa gray (cinza) a seu nome e trajetória, ao censurar e cobrir com tinta cinza as relevantes obras de arte realizadas nos muros da cidade. São perigosas ações, próprias do falsamente cristão-fascismo “malafaico-alkminista” que hoje vigora, principalmente nas grandes aglomerações urbanas. O povo é incitado pela mídia a fazer justiça com as próprias mãos e a menosprezar o convívio humano pacífico, a arte e a cultura, como se qualquer manifestação autônoma colocasse em risco o controle popular feito por pastores, contraventores e xerifes da ordem, em benefício de políticos inescrupulosos.”

Retomo:

Poderíamos tentar dissecar o sentido deste trecho, mas o troço, confessemos, é indissecável!

Como discutir, como rebater, como ENSINAR?

Ao ler algo assim, só podemos imaginar o nível de subracionalidade de quem consome este tipo de lixo panfletário e de quem edita esta porcaria.

Só pode ser cria de algum tipo de animal, só pode ser um filhotinho de Chauí!

É uma espiral de insanidades somadas, liquefazendo o cérebro dessa gente, numa doutrinação alquímica, que lhes transforma os miolos em merda.

De repente, quando você percebe, alguém está dizendo que Dória apaga pichações dos muros por ação do “cristão-fascismo Malafaico-Alkminista”.

Em que raio de planeta este imbecil consegue coligar Malafaia e Alckmin como representações máximas de uma estrutura dominante que Dória apaga pichações para manter?

No trecho final, a filosofagem ganha ares conclusivos: é uma forma de impedir a manifestação daqueles que se opõem ao controle feito por pastores!

Então, meu caro cidadão, fique sabendo que a esquerda governou o país por treze anos, quebrou o país com seus mensalões, petrolões e eletrolões, desviou bilhões, se mancomunando com os grandes empresários que eles, nos discursos, sempre amaram odiar, e agora no ápice da crise, a culpa de o país estar todo ferrado são os pastores evangélicos e as pichações apagadas pelo Dória. Coisas, que, sabe: “menosprezam o convívio humano pacífico”.

Este tipo de paspalho está sendo formado em nossas escolas, ensinado pelos nossos professores sindicalizados.

Nós estamos lidando com gente alienada, que perdeu o contato com a realidade, que se distanciou das necessidades e dos conceitos reais de convívio civilizacional. Estamos lidando com gente que culpa o Malafaico-Alkminismo pelas mazelas atuais. Gente que aprendeu um discurso e não consegue desviar os olhos do papel em que ele está escrito para olhar ao redor e ver o mundo real.

Sustentando uma esquerda oportunista e bem esperta há uma leva de esquerdistas tapados que destilam suas imbecilidades desavergonhados, enquanto comem sua alfafa de cada dia.

Neste caso a distinção é clara. O tapado é quem escreve, a outra categoria, a que publica.

Por Renan Alves da Cruz

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *